A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018

20/08/2018 13:39

A restrição e o veneno

Por Rubia Daniela Thieme (*)

A saúde e a alimentação saudável e adequada são direitos que devem ser garantidos pelo Estado brasileiro. As leis regulamentam a garantia desses direitos por apresentarem função de controle de comportamentos e ações. O processo evolutivo da sociedade e as relações de interesse que permeiam os grupos que a compõem podem acarretar em alterações nas leis vigentes. Nesse sentido, a proposta de alteração da Lei nº 10.831/2003 pelo Projeto de Lei (PL) nº 4576/16, referente à comercialização direta de produtos orgânicos aos consumidores, seria justificada por mudanças ocorridas na sociedade brasileira.

Assim, o PL nº 4576/16, conhecido como PL da Restrição, foi aprovado pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados, devido à crescente demanda por alimentos saudáveis no Brasil, enfatizando a garantia de que estejam livres de contaminação por substâncias prejudiciais à saúde, ou seja, livre de contaminação por agrotóxicos. O PL nº 4576/16 está sendo discutido no mesmo período em que se propõe o PL nº 6.299/02, conhecido como PL do Veneno. Portanto, encontra-se aqui importante contradição no que diz respeito à regulamentação da comercialização e produção de alimentos no Brasil, pois defende-se o acesso à alimentação livre de contaminantes ao mesmo tempo que se amplia a utilização de agrotóxicos no campo.

Os alimentos produzidos de forma orgânica são livres de contaminantes. Nesse contexto, o PL nº 4576/16 destaca a complexidade dos processos de produção dos alimentos orgânicos. As tecnologias empregadas respeitam a relação ser humano-natureza, a biodiversidade, além de serem ambiental e economicamente sustentáveis. Esses procedimentos permitem que os alimentos orgânicos recebam certificação.

O certificado atribuído aos alimentos orgânicos, defendido no PL nº 4576/16, depende de critérios rigorosos. O processo de certificação pode apresentar custo para os produtores, mas é entendido como um direito do consumidor. Por outro lado, alimentos produzidos de forma convencional não recebem selo informando quais agrotóxicos foram utilizados no cultivo, a quantidade aplicada e a procedência das sementes. Essas informações também são direitos dos consumidores, mas não são exigidas por lei.

O PL nº 4576/16 cita, ainda, os preços mais elevados dos alimentos orgânicos quando comparado aos alimentos produzidos com uso de agrotóxicos e refere que a razão dos preços está na maior dificuldade de manejo na produção. Contudo, os incentivos do Estado para produção de alimentos orgânicos são inferiores aos incentivos para produzir utilizando agrotóxicos - e esse é um dos motivos de encarecimento dos produtos orgânicos e agroecológicos.

É importante ressaltar, ainda, que a agroecologia objetiva a geração de trabalho digno no campo, o consumo consciente e a comercialização justa. As fraudes praticadas por comerciantes que atribuem a denominação de orgânico a alimentos não orgânicos para vendê-los por preços superiores, que são mencionadas no PL nº 4576/16, são crimes contra as relações de consumo e podem ser reflexos da percepção errônea de vincular a alimentação saudável e adequada à primazia da obtenção de lucro, atendendo às demandas do mercado em detrimento da garantia do direito humano à alimentação adequada.

Portanto, se o objetivo do PL nº 4576/16 é adequar a legislação à realidade e coibir novas fraudes, faz-se necessária a análise crítica do cenário atual. A delimitação do comércio de produtos orgânicos em propriedade particular ou em feiras “livres” autorizadas, regulamentadas e fiscalizadas pode restringir as possibilidades de venda e aquisição desses produtos, não beneficiando produtores, nem consumidores. Com a aprovação do PL nº 4576/16, encontrar alimentos orgânicos produzidos por agricultores familiares em redes de supermercado e varejo pode se tornar difícil. Essas medidas podem enfraquecer a agricultura familiar e os circuitos curtos de comercialização de alimentos - e não necessariamente impedirão ações fraudulentas.

A questão que se deve atentar é que o PL nº 4576/16 pode levar à maior restrição para comercialização de alimentos produzidos por agricultores familiares e que, para os consumidores, pode-se dificultar o acesso aos alimentos orgânicos ou de base agroecológica. Assim, a justificativa primária do PL nº 4576/16, referente à busca da população por alimentos mais saudáveis e livres de contaminantes, perde o sentido, uma vez que pode não assegurar o acesso a alimentos orgânicos e facilitar a venda de alimentos com agrotóxicos.

(*) Rubia Daniela Thieme, é doutoranda em Políticas Públicas pela UFPR e professora do curso de Nutrição da Universidade Positivo.

Médicos-veterinários e zootecnistas comprometidos com transparência e inovação
Vivemos tempos decisivos. Momento de escolher quem irá nos representar pelos próximos anos. No mês em que o processo democrático fervilha no país, mé...
Qualidade para antever o futuro da indústria
A qualidade na indústria acompanha as constantes mudanças disruptivas, orquestradas pelos avanços das tecnologias e inovações que movem o mercado. Ca...
Nobel sinaliza sobre fragilidade da economia frente às variáveis ambientais
Dois americanos foram os vencedores do Prêmio Nobel de Economia este ano. Ambos escolhidos por seus estudos estarem relacionados com interações entre...
Riscos fazem parte da evolução
Num mundo globalizado como o que vivemos, onde as informações surgem a cada instante e é possível realizar compartilhamentos de conteúdos e ideias, i...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions