A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 26 de Março de 2017

13/11/2012 13:59

Atalho para o primeiro emprego

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Uma das principais reclamações dos jovens, quando se referem às oportunidades do mercado de trabalho, é a dificuldade para a obtenção do primeiro emprego. Sem experiência, eles perdem a disputa na preferência dos selecionadores por candidatos com prática comprovada e já capacitados para a profissão. A situação piorou nos últimos meses com a desaceleração econômica, que diminuiu a oferta de vagas, o que fez despencar os índices de primeira contratação para o mercado de trabalho formal.

Com 48 anos de experiência na inserção profissional e social do jovem, o CIEE aposta numa fórmula de sucesso para amenizar o problema: os programas de estágio e aprendizagem. Essa modalidade de capacitação prática dá para o jovem inexperiente a oportunidade de conhecer a dinâmica do mundo da produção, tanto no aspecto prático das funções desempenhadas quanto na aquisição e maturação de comportamentos corporativos, habilidades que não são trabalhadas em sala de aula.

Com o estágio, existe uma troca continua entre a teoria, que o estudante absorve na escola, e a prática no dia a dia nas empresas. Essa contribuição bilateral enriquece os conceitos e a capacidade de reflexão nas matérias e pode ser aplicadas empiricamente por meio de ações desenvolvidas durante o estágio. Ganham com isso a empresa, que terá jovens atualizados com o que há de mais moderno no mercado, e o próprio estudante, por receber uma formação mais sólida e adequada às exigências atuais da necessidade de mão de obra qualificada.

A aprendizagem, que vem em crescimento constante nos últimos anos – ao qual o CIEE empresta forte contribuição com o programa Aprendiz Legal –, também facilita o acesso dos jovens ao mercado de trabalho, principalmente aqueles mais carentes, de áreas de vulnerabilidade social. Com contrato CLT, os aprendizes atuam na empresa e recebem capacitação teórica (que incluem ações voltadas ao desenvolvimento pessoal e da cidadania), sendo, dessa forma, lapidados para que se encaixem no mercado de trabalho em condições de serem efetivados e nele permanecerem. Portanto, o CIEE acredita que essas duas formas de capacitação são atalhos importantes que devem ser levados a sério pelos jovens que pretendem começar suas carreiras com o pé direito, com pensamento focado lá na frente, no sucesso profissional.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Glifosato: o veneno está em todo lugar
O primeiro teste em alimentos para resíduos de glifosato realizado por laboratório registrado na Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estado...
Falácias da terceirização
A Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira, o projeto de lei que autoriza a terceirização do trabalho de forma irrestrita. Com esta aprovação, a...
Operação Carne Fraca: importância da fiscalização
“Quanto menos as pessoas souberem como são feitas as leis e as salsichas melhor elas dormirão” (Otto Von Bismarck -1815-1898). Esta frase famosa de B...
O custo da violência no trânsito brasileiro
A imprudência no trânsito mata cerca de 45 mil pessoas por ano no Brasil e deixa aproximadamente 600 mil com sequelas permanentes, conforme aponta o ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions