A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

19/11/2017 08:00

Baile do desespero e do improviso

Por Felipe Mello (*)

Quando começo uma visita hospitalar como palhaço, experimento um puro e sincero estado de desespero. Há 16 anos faço isso com certa frequência e, felizmente, com uma crescente capacidade de compreensão do que pode acontecer nos corredores, quartos, recepções, UTIs e outras áreas do hospital, por meio das interações do palhaço com as pessoas – profissionais, pacientes e acompanhantes.

No início, havia a vontade de levar um repertório vasto, uma caixa cheia de ferramentas, um arsenal de possibilidades. Tudo para distrair a plateia. Afinal, imagina o senso comum, ao artista cabe a função de provocar a catarse, o desligamento do mundo real e o mergulho no imaginário. Não discordo por completo disso, pois existem momentos em que a realidade é triste, feia e merece nosso protesto. Mas, isso não me interessa agora. O papo é outro.

Pouco a pouco, busquei mais leveza nas idas ao hospital. Tirei a maquiagem e simplifiquei o figurino. Cada vez mais, basta-me o nariz vermelho como acessório e o desespero como causa. Sim, o desespero. A decisão de não mais esperar, mas, sim, entregar-me ao momento. Pode-se diminuir o valor da provocação de palavras, mas para mim foi e ainda é uma chave. Eu não espero nada quando entro em um quarto de hospital. Não espero ser a causa do riso. Não espero curar o paciente. Não espero. Em respeito a quem está lá, não entro antes de entrar. Não me preocupo. Apenas me ocupo de chegar disposto e sincero ao encontro.

Aqui reside, a meu ver, o tesouro do improviso. A honestidade de estar presente onde quer que decido estar. Nem antes e nem depois: presente. E, para isso, preciso esvaziar para fundar um novo encontro. Prontidão: estar disponível, interessado, ou ainda, estar inteiro no que decido fazer, como já sugeriu um Fernando famoso e lusitano.

Calma, a proposta não é jogar fora tudo o que já juntamos nas mochilas dos conhecimentos, estratégias, habilidades e que tais. Não. Seria um desperdício. Vou a Píndaro, que há milhares de anos apontou uma distinção que até hoje parece confusa. A sabedoria, segundo ele, seria o conhecimento temperado pela Ética.

Não sei como traduzir a sensação de todo o trabalho em palavras. Não se trata de falsa modéstia. Está mais para incapacidade, mesmo. Mas, se tivesse que palpitar sobre o que mais me toca hoje em dia no que faço, eu arriscaria: organizar para simplificar e caprichar, tudo perfumado com Ética. Por organizar, entendo a decisão de criar as condições para que o encontro aconteça: preparação e concentração. Para simplificar, o abraço ao essencial e ao momento presente (parem o mundo que agora eu estou aqui!). E o capricho ético de entregar o melhor de si na dança, observando e cuidando gentilmente do lugar do outro, para que pernas, braços, sorrisos e almas se entrelacem por instantes e rodopiem como nunca ninguém rodopiou antes e não rodopiará nunca mais.

Valorizar o tesouro inédito de cada encontro, crendo que dentro da semente mora uma árvore: a isso quero dedicar minha vida.

(*) Felipe Mello é comunicador, ator e palhaço. Diretor-fundador do Canto Cidadão, organização que já levou arte a mais de três milhões de pessoas em hospitais e escolas públicos e filantrópicos.

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions