A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

14/10/2015 11:12

Demografia, tecnologia e o futuro do trabalho

Maurício Antônio Lopes

O mundo vem passando por acelerada transição demográfica. Antes, as populações eram reguladas por alta fertilidade e alta mortalidade. Hoje, há menos nascimentos, menos mortes. Vida mais longa. Maior longevidade gera mudanças significativas na distribuição etária das pessoas. Como o comportamento e as necessidades dos indivíduos variam com a idade, alterações na distribuição etária da população trarão mudanças econômicas e sociais.

Vivendo mais, as pessoas permanecerão ativas por prazos mais longos, o que exigirá ajustes no mundo do trabalho, que se tornará mais multigeracional. Segundo o Bureau de Estatísticas do Trabalho, dos Estados Unidos, em 1992 menos de 3% da força de trabalho americana tinha 65 anos ou mais. Hoje, essa proporção quase dobrou, e é esperado que chegue a 8,3% em 2022. No Brasil, mostra o IBGE, a população idosa é a que mais cresce: o grupo acima de 60 anos atingiu 19,6 milhões em 2010, com projeções de 41,5 milhões, em 2030, e 73,5 milhões, em 2060.

Outra realidade que pressionará o mundo do trabalho é a urbanização. A ONU mostrou que, em 2010, pela primeira vez no mundo, a população urbana superou a população rural. Além de mega-aglomerados capazes de catalisar crescimento econômico, os centros urbanos estão se tornando verdadeiros laboratórios de inovação, reinventando nosso estilo de viver. Apesar de visões pessimistas sobre o futuro das cidades, em razão de passivos de infraestrutura, segurança e poluição, o ambiente urbano é mais propenso à criação de redes e relações. Várias cidades do mundo desenvolvido nos mostram que, com ganhos de produtividade e eficiência, as demais podem se tornar potentes motores de desenvolvimento.

Essas mudanças ocorrem ao mesmo tempo e em sinergia com avanços rápidos e profundos que revolucionam a ciência e a tecnologia. A transformação digital provoca rápida queda das barreiras entre as ciências tradicionais, alterando de forma radical os métodos, os conceitos e as ferramentas de inovação. A mudança tecnológica está em evolução exponencial, remodelando as organizações e a sociedade, de forma nunca antes vista. A sociedade digital conecta pessoas e objetos e automatiza o trabalho humano. Estima-se que, até 2020, mais de 6 bilhões de pessoas estarão conectadas por telefones celulares e bilhões de máquinas com sensores estarão monitorando e controlando desde cortadores de grama até tratores e motores a jato.

As intersecções entre demografia, tecnologia e trabalho suscitam debates e preocupações no âmbito de diversos setores econômicos, com grande destaque para a agricultura e a produção de alimentos. O estudo Visão 2014-2034: o futuro do desenvolvimento tecnológico da agricultura brasileira, da Embrapa, aponta que o envelhecimento e a contínua migração para as cidades já reduzem de forma drástica o número de trabalhadores no campo. Assim, automação, digitalização e processos de precisão se tornam essenciais neste setor vital para o futuro da humanidade, com ganhos em produtividade, qualidade, segurança dos produtos e redução do trabalho penoso e insalubre.

A economia será, portanto, cada vez mais baseada no conhecimento, sempre pressionada a incorporar inovações. Teremos que ser sábios para acolher as mudanças na sociedade e o crescimento exponencial da tecnologia como fontes de mudança positiva e de geração de valor para a humanidade. Teremos que ser hábeis para lidar com as incertezas. Muitas profissões hoje comuns provavelmente não mais existirão em breve. O avanço tecnológico criará novas profissões. Muitos bebês que nascem hoje trabalharão em profissões que ainda não foram inventadas.

Questões difíceis vão nos desafiar o tempo todo. O que significará, para as empresas, uma força de trabalho diversa e experiente, usando tecnologias digitais para conectar países, culturas e fusos horários e, assim, realizar um trabalho virtual? Como preparar os jovens para esse cenário de trabalho cada vez mais digitalizado, diverso e multigeracional? Como garantir um sistema educacional com currículos, mestres e métodos capazes de formar profissionais ajustados aos múltiplos desafios que despontam no horizonte?

Por mais difíceis que sejam as perguntas, o futuro está sendo construído hoje. Talvez de forma dispersa, em muitos lugares. Mas, eventualmente, o conhecimento se aglutina e gera mudanças, inovações e respostas para perguntas difíceis. A curiosidade e o engenho humano são as forças motoras desse processo.

*Maurício Antônio Lopes é Presidente da Embrapa

 

O “Lado B” da delação premiada
Embora não seja novo no nosso Direito, é fato que o instituto da “delação premiada” passou a ser muito utilizado somente após a regulamentação que lh...
Inteligência espiritual
Parece-me que há alguns estudiosos de psicologia que costumam misturar ciência com religião, duas atividades mentais bem distintas, com metodologias ...
A regulamentação do Lobby no Bra
Desde 1989 o Projeto de Lei do Senado que propõe regular a atividade de Lobby no Congresso Nacional, PLS 203/89 de Marco Maciel (DEM- PE), está no Co...
Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions