A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

22/08/2011 10:46

Desigualdade de acesso, por Luiz Gonzaga Bertelli

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Estudos mostram que pessoas com conhecimento de informática têm 25% a mais de chance de conquistar um emprego, segundo estudo sobre a relação entre os sistemas de ensino e a tecnologia realizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A pesquisa vai além: quando se analisa a proporção do número de computadores por sala de aula, o Brasil ocupa a última posição de um ranking com 38 nações do mundo. A situação retratada é preocupante, portanto, pelo impacto na empregabilidade dos jovens, em especial os de baixa renda. Isso porque, segundo a OCDE, o acesso à tecnologia reflete as desigualdades socioeconômicas do Brasil.

Na camada mais rica dos estudantes, o percentual de acesso a computador e internet está na casa dos 86%, taxa equivalente à dos países desenvolvidos. Já entre os jovens com menos recursos, apenas 15% tem a ferramenta. O resultado desse déficit não poderia ser mais nefasto, pois alimenta um ciclo vicioso de exclusão de jovens no mercado de trabalho e falta de capacitação profissional.

Para Sophie Vayssettes, pesquisadora da OCDE que coordenou o estudo, os governos deveriam compensar as disparidades sociais, equipando melhor as escolas com computadores. E aqui chegamos a um ponto de intersecção entre temas recentes de nossa conversa dominical.

Vale recapitular: há duas semanas, mostramos que não são os estudantes que fazem a escola, mas o inverso; já no domingo passado, observamos que a tecnologia da informação cria valores, afiando ainda mais a noção de justiça, autenticidade e compartilhamento. É impossível, assim, fugir da pergunta: será falta vontade política para que se facilite aos jovens o acesso a um canal de livre circulação de informações?

E mais: convém não perder de vista que o fornecimento do equipamento é apenas metade do processo educativo. Os professores também precisam estar motivados e preparados para ensinar os alunos como se transforma o mouse, teclado e monitor em uma janela para o mundo. Ainda de acordo com a OCDE, o sistema ensino brasileiro soma uma década de atraso na comparação com os países desenvolvidos quando o assunto é acesso a computadores e internet.

Ainda será necessário muito investimento em infraestrutura e em pessoal, para vencer o imobilismo e a inércia. Mas será preciso muito mais para sobrepujar a resistência de quem quer que tudo permaneça como está, da má gestão de recursos aplicados no sistema de ensino e até de eleitores que pouco refletem ao decidir seus votos em eleições de todos as esferas de governo.

Em 2012, serão realizados pleitos para escolha de prefeitos e vereadores. Resta a torcida para que surjam nomes alinhados a esses objetivos superiores: a juventude e o país agradecerão.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions