A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

22/08/2011 10:46

Desigualdade de acesso, por Luiz Gonzaga Bertelli

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Estudos mostram que pessoas com conhecimento de informática têm 25% a mais de chance de conquistar um emprego, segundo estudo sobre a relação entre os sistemas de ensino e a tecnologia realizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A pesquisa vai além: quando se analisa a proporção do número de computadores por sala de aula, o Brasil ocupa a última posição de um ranking com 38 nações do mundo. A situação retratada é preocupante, portanto, pelo impacto na empregabilidade dos jovens, em especial os de baixa renda. Isso porque, segundo a OCDE, o acesso à tecnologia reflete as desigualdades socioeconômicas do Brasil.

Na camada mais rica dos estudantes, o percentual de acesso a computador e internet está na casa dos 86%, taxa equivalente à dos países desenvolvidos. Já entre os jovens com menos recursos, apenas 15% tem a ferramenta. O resultado desse déficit não poderia ser mais nefasto, pois alimenta um ciclo vicioso de exclusão de jovens no mercado de trabalho e falta de capacitação profissional.

Para Sophie Vayssettes, pesquisadora da OCDE que coordenou o estudo, os governos deveriam compensar as disparidades sociais, equipando melhor as escolas com computadores. E aqui chegamos a um ponto de intersecção entre temas recentes de nossa conversa dominical.

Vale recapitular: há duas semanas, mostramos que não são os estudantes que fazem a escola, mas o inverso; já no domingo passado, observamos que a tecnologia da informação cria valores, afiando ainda mais a noção de justiça, autenticidade e compartilhamento. É impossível, assim, fugir da pergunta: será falta vontade política para que se facilite aos jovens o acesso a um canal de livre circulação de informações?

E mais: convém não perder de vista que o fornecimento do equipamento é apenas metade do processo educativo. Os professores também precisam estar motivados e preparados para ensinar os alunos como se transforma o mouse, teclado e monitor em uma janela para o mundo. Ainda de acordo com a OCDE, o sistema ensino brasileiro soma uma década de atraso na comparação com os países desenvolvidos quando o assunto é acesso a computadores e internet.

Ainda será necessário muito investimento em infraestrutura e em pessoal, para vencer o imobilismo e a inércia. Mas será preciso muito mais para sobrepujar a resistência de quem quer que tudo permaneça como está, da má gestão de recursos aplicados no sistema de ensino e até de eleitores que pouco refletem ao decidir seus votos em eleições de todos as esferas de governo.

Em 2012, serão realizados pleitos para escolha de prefeitos e vereadores. Resta a torcida para que surjam nomes alinhados a esses objetivos superiores: a juventude e o país agradecerão.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions