A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Junho de 2018

18/08/2014 15:03

Duas derrotas em casa e uma vitória da democracia

Por Levi Ceregato (*)

Em 1950, quando a Seleção Brasileira perdeu a final histórica da Copa do Mundo para o Uruguai, na tarde de 16 de julho, no Maracanã, realizaram-se, em 3 de outubro, eleições presidenciais, as segundas diretas e democráticas depois do regime de exceção do Estado Novo. Foi eleito Getúlio Vargas, pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), com 48% dos votos válidos, seguido pelo brigadeiro Eduardo Gomes (União Democrática Nacional - UDN), com 29%, e o político mineiro Cristiano Machado (Partido Social Democrata - PSD), com 20%.

Sessenta e quatro anos depois, voltamos a realizar uma Copa do Mundo em nosso país. Pela segunda vez, perdemos em casa, naqueles doloridos sete a um contra a Alemanha, na tarde do silencioso Mineirão de 8 de julho. E, novamente, em outubro, elegeremos o presidente da República, na sétima eleição direta para o cargo depois do regime de exceção do governo militar.

As duas coincidências factuais não significam que os brasileiros sejam repetitivos nos equívocos de sua história e letárgicos no seu avanço socioeconômico. Em 1950, nossa população era de 52 milhões de habitantes. O PIB era de aproximadamente 93 bilhões de dólares e não figurávamos entre as economias protagonistas do Planeta. O voto era permitido apenas aos maiores de 18 anos. Mais grave: os analfabetos — que representavam metade dos habitantes à época — não tinham direito a votar.

Nesses 64 anos, o Brasil deixou de ser um país predominantemente rural e se tornou urbano. Desenvolvemos nossa indústria, transformamos nosso agronegócio em um dos mais avançados, assim como o setor de serviços e instituições financeiras. Hoje, outra coincidência de dados reflete a trajetória do País na segunda metade do Século 20 e primeiras duas décadas do 21: somos 200 milhões de habitantes, temos 200 milhões de cabeças de gado (segundo maior rebanho bovino do mundo) e safra de grãos em torno de 200 milhões de toneladas (uma das maiores). Nosso PIB, desde o maracanazo, saltou de 93 bilhões para 4,5 trilhões de dólares.

Refiro-me a todos esses dados comparativos para que, didaticamente, entendamos ser preciso não se intimidar ante as derrotas, manter e aprimorar o que está certo, sem nos acomodar jamais aos progressos obtidos, e ter a humildade e a grandeza de corrigir o que está errado. Para isto, nada melhor do uma eleição geral como que teremos este ano. É o momento de colocar os problemas na mesa de discussão, comprometer os candidatos com as reivindicações da sociedade e, ao longo dos mandatos, cobrar civicamente o cumprimento das propostas de campanha.

Em paralelo aos equívocos no futebol, que nos levaram a perder duas vezes a Copa do Mundo em casa, deixamos de fazer muitas lições importantes. Não soubemos, por exemplo, manter a democracia ressurgida em 1945, com as primeiras eleições presidenciais diretas depois do Estado Novo, nas quais foi eleito o presidente Eurico Gaspar Dutra. Se a tivéssemos conservado, estaríamos já há 69 anos num regime de liberdade política, cuja maturidade e perenidade são elementos importantes para o desenvolvimento.

Reconquistamos a democracia de modo pacífico, a partir das “Diretas Já”, em 1984, e a ratificamos na Constituição de 1988. Desde então, realizamos alguns feitos importantes na área dos direitos individuais e coletivos, na política e na economia. Nesta, dois marcos são a derrubada da inflação e o processo de desestatização e, depois, a inclusão socioeconômica de mais de 40 milhões de brasileiros. Tornamo-nos a sétima maior economia. E nossa principal virtude tem sido manter a democracia.

No entanto, seguimos cometendo alguns erros: não realizamos as reformas estruturais (tributária, previdenciária, trabalhista e política); não reduzimos a burocracia; não eliminamos a insegurança jurídica; não diminuímos a carga tributária e os juros; e não atendemos de modo adequado às prioridades da educação, saúde e segurança pública.
Eis aí a pauta programática para os deputados estaduais e federais, senadores, governadores e presidente da República a serem eleitos em outubro. Concluídas as eleições, a grande vitória será a de democracia, na qual não há perdedores. Todos ganham quando votam com liberdade! Do resultado das urnas deve sair uma corrente nacional em favor dos desafios a serem vencidos, com o acompanhamento sério e atento da sociedade e a devida cobrança daqueles aos quais o povo outorgou o poder político.

(*) Levi Ceregato, empresário, bacharel em Direito e Administração, é o presidente da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf Nacional).

Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...
A receita da sorte
Somos seres dependentes da repetição. Desde nossos processos biológicos à necessidade de se estipular uma rotina mínima para que a civilização funcio...
Condução coercitiva e os aspectos jurídicos
Em que pese tratar-se de temática absorta pela legislação processual penal desde a década de 40 (especificamente 1942, quando da entrada em vigor do ...
A carne mais barata do mercado é a carne negra
Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions