A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 16 de Outubro de 2018

08/10/2018 09:45

Estrutura interna dos portos em tempos de campanha

Por Raphael Nascimento (*)

Propostas e promessas para melhoramento de transporte e comércio do país foram mencionadas em quase todos os meios de comunicação, e estava em 90% dos planos de governo dos 13 candidatos a República nestas eleições no Brasil. No entanto, era necessário criar condições e projetos específicos dos complexos marinhos, que possibilitassem a analise e as formações econômicas.

Uma pesquisa realizada em vários sites oficiais de aspirantes ao cargo de Presidente da República destaca as prováveis ações nos seguimentos portuários, e as estruturas internas e os investimentos da área portuária. Um dos principais portos do Brasil pelo escoamento de grãos é o Porto de Paranaguá. No Porto Dom Pedro II, acontece o principal escoamento da balança comercial, se destacando no papel contemporâneo da logística no processo de integração territorial e de desenvolvimento.

Foi relevante na formação do conjunto de presidenciáveis, as discussões e propostas para todos os setores e a sociedade. Mas como essas ideias afetam o setor portuário?

A Associação dos Terminais Portuários (ABTP) convidou para uma mesa redonda todos os candidatos onde questionou publicamente quais as proposições de cada um. Para tanto, independe de quem esteja no Poder, é preciso que ocorra investimento em empregos diretos e indiretos. Para uma melhor gestão dos portos.

O candidato Álvaro Dias (PODEMOS) não declarou projeto destinado ao porto especificamente. Mas afirmou que iria reduzir o custo de transporte de carga e passeio, e que aumentaria a produção em 50% até o ano de 2022.

O Cabo Daciolo (PATRIOTAS) divulgou que não há ações para este segmento, mas assim como o candidato Álvaro Dias, investirá também em rodovias. Já Ciro Gomes (PDT), durante uma visita a Santos, no ano passado, criticou a administração dos portos de forma geral, classificando-a como "entre desastrosa e criminosa", segundo ele, se eleito, investirá R$ 300 bilhões, quase 5% do PIB e também em rodovias, ferroviária e portos.

Fernando Haddad (PT) promete uma melhor infraestrutura, algo como o já conhecido Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) e assim melhorar o mercado privado. Em contraponto, Geraldo Alckmin quer investir em dragagem para capacitar o fluxo e abrir um maior comércio, desenvolver tarifas entre modais de transportes, e reduzir custos e tempos logísticos.

Guilherme Boulos (PSOL), em uma palestra na Associação Comercial de Santos (ACS), disse que vai investir em infraestrutura de portos e visar o escoamento da produção e acredita nos laços sul-sul. Diferente do candidato Henrique Meirelles (MDB) que não cogitou nenhum projeto para esse setor.

O plano de governo de Jair Bosonaro (PSL) sugere melhorar a eficiência e reduzir os gastos além de atrair mais investimentos, com o Lema "de Santos à Yokohama" e assim alcançar índices parecidos com os da Correia do sul (Porto de Busan), Japão (Porto de Yokohama), ou o de Taiwan (Porto de Kaohsiung). Muito parecido João Amoedo (NOVO) quer promover parcerias, mas através de concessões e privatizações que de fato haveria melhorarias em todos os aspectos.

Temos os que acreditam em crescer para desenvolver, este é o candidato João Goulart Filho (PPL) que pensa em ampliar a infraestrutura nacional, através de recursos do setor Público, fomentando com a própria produção de insumos. Priorizar a ação do Governo Federal no adensamento a infraestrutura é a proposta de José Maria Eymael (DC) no sistema portuário. Concluindo, a candidata Marina Silva (REDE) e Vera Lúcia (PSTU) não tinham projetos destinados para esse setor especifico.

Todas as propostas visão a infraestrutura, a economia, o crescimento sistêmico e algumas se abstém por não ter um projeto específico. As cidades portuárias produzem uma centralização que regula o sistema de mercado e de toda a região ao ponto de inverter a lógica de manipulação. O porto, para Raffestin (1993), pode ser visto como um lugar de poder e de referência.

Todas as propostas são complexas e algumas até contraditórias. Noto um olhar peculiar com os processos de comércio e infraestruturas, mas o objetivo é analisar como as propostas afetam o setor portuário. Pela percepção do lugar e pelas propostas dos candidatos e pelos valores associados por aqueles que o vivenciam.

É provável ainda apostar nas capacidades dos candidatos e pensar que não estão banalizando o potencial portuário em função do peso das empresas que apostam em privatizações. Sabe-se que o valor do porto em uma região que acabam ofuscando as outras atividades comerciais em qualquer região quando por vezes sustenta a economia local, um dos benefícios recebidos no local.

REFERENCIA

FERNANDES. Maria Cristina. Melhor saída proposta por candidatos são portos e aeroportos. Valor Econômico- São Paulo, 2018.

RAFFESTIN, Claude. A produção das Estruturas Territoriais e Sua Representação. In: SAQUET, Marcos Aurélio; SPOSITO, Eliseu Silvério (orgs.). Territórios e territorialidades – teorias, processo e conflitos. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2009.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço – técnica e tempo, razão e emoção. 4. Ed. 2 reimpr., São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

(*)Raphael Nascimento é especialista em gestão estratégica de empresas e negócios. Possui ampla experiencia em atividades de exportação e gestão de armazenagem, produção e custos. Atuou em grandes empresas do setor portuário como Usina Alto Alegre S/A, Guarani S/A, Tereos Açúcar & Energia Brasil liderando diversas operações e atividades do setor.

Nobel sinaliza sobre fragilidade da economia frente às variáveis ambientais
Dois americanos foram os vencedores do Prêmio Nobel de Economia este ano. Ambos escolhidos por seus estudos estarem relacionados com interações entre...
Riscos fazem parte da evolução
Num mundo globalizado como o que vivemos, onde as informações surgem a cada instante e é possível realizar compartilhamentos de conteúdos e ideias, i...
Entenda como o marketing pode impulsionar o agronegócio brasileiro
O Brasil sabe o que é marketing e consegue identificar o que não presta neste meio, como a famosa figura do marqueteiro político. No entanto, nosso p...
O cúmulo da captura da Agência Nacional de Saúde Suplementar
É notória a influência das empresas de planos de saúde na indicação de diretores para a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A interferência ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions