A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

13/01/2012 15:30

Limites humanos

Por Adilson Luiz Gonçalves*

Resiliência é um termo cada vez mais empregado no cotidiano:

Na Engenharia, ele é utilizado para definir a capacidade que um material tem de absorver tensões e recuperar-se após a supressão das mesmas.

Materiais sujeitos a tensões também sofrem deformações. Podem ser frágeis ou dúcteis, conforme deformem menos ou mais antes da ruptura. Em “condições normais de temperatura e pressão”, o vidro é frágil e o cobre é dúctil. No entanto, dependendo das condições ambientais, essas características podem ser afetadas.

No caso de materiais dúcteis, ou seja, que apresentam maior elasticidade, a relação entre as tensões e as deformações resulta em gráfico característico, onde alguns pontos têm nome e significado:

O Limite de Proporcionalidade corresponde ao fim do equilíbrio entre tensões e deformações da chamada Região Elástica, onde as deformações desaparecem quando as tensões são suprimidas, ou seja, o material se recupera integralmente.

O Limite de Escoamento, logo após o anterior, marca o início de um patamar, que corresponde a uma deformação que evolui sem aumento da tensão, indicando, também, o início da Região Plástica, na qual a recuperação das deformações não é total, quando o esforço é suprimido: restará uma residual, sequela definitiva.

Apesar disso, o material poderá suportar tensões ainda maiores, com deformações também superiores, inclusive as residuais. Só que as “marcas” serão cada vez maiores e visíveis, inspirando progressivos cuidados.

Essa capacidade de suportar tensões maiores, apesar das progressivas deformações residuais, evolui até o Limite de Resistência: máxima carga que o material pode suportar.

Ele pode ser ultrapassado e o material deformará cada vez mais, só que sob tensões cada vez menores, até alcançar o Limite de Ruptura, inferior ao de Resistência, que representa a falência do material.

As tensões que geram as deformações podem ser estáticas, dinâmicas e/ou cíclicas. No caso das dinâmicas, se aplicadas num curto espaço, às vezes o material suporta mais do que sob prolongadas. Já no que se refere às cíclicas, o esforço repetitivo leva a colapsos, mesmo sob tensões menos importantes. É o que se convencionou chamar de fadiga do material.

Ossos, peles e membranas também são materiais: tecidos orgânicos de resistências variáveis, para os quais a teoria acima é perfeitamente aplicável. Serviria também para a mente humana?

Bem... Dependendo da pessoa e do ambiente, a resiliência, os limites e danos, entendidos como traumas, podem ser diferentes:

Alguns, depois de um sofrimento prolongado, tornam-se mais fortes. Outros são tão frágeis, que sucumbem perante qualquer adversidade. Há ainda os que, submetidos a tensões cíclicas, sofrem estresse psicológico ou, no extremo, colapso mental: “espanam”!

É... A mente humana é de uma complexidade que ainda estamos muito longe de entender. Talvez por isso, algumas pessoas gostem de testar os limites dos outros, impondo-lhes sofrimento físico e mental, isoladamente ou em massa, como forma de ocultar suas limitações ou por “simples” exercício de poder.

Não fazer nem se submeter a isso é um grande desafio para o ser humano! E nos cabe buscar esse equilíbrio, para que nosso “limite de ruptura” jamais seja atingido, o qual é tão mais iminente quando cometemos o supremo erro de desistirmos de nós mesmos.

Para evitar esse colapso, é preciso ser resiliente! Mas também é preciso que nossa “têmpera” seja forjada com amor, amizade e respeito, pois ninguém é de ferro!

(*) Adilson Luiz Gonçalves é mestre em Educação, escritor, engenheiro, professor universitário e compositor

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions