A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

04/05/2016 12:31

Maio Amarelo – Atenção pela vida

Por Keller Rodrigues (*)

Mais uma vez, instituições públicas e privadas disparam alertas contra a violência do trânsito no mundo todo. É o movimento “Maio Amarelo – Atenção pela Vida”, cujo objetivo é reunir esforços para chamar a atenção da Sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito.

A intenção do movimento não é outra que não enraizar na pauta do cotidiano das cidades a segurança viária como tema de importância maior, mobilizando, assim, todos os segmentos, toda a sociedade. O objetivo final é salvar vidas.

Essa batalha não começa nem se encerra no mês de maio. O mês é apenas uma referência para a revitalização do discurso e das práticas em favor de uma cultura de respeito à vida.

Por que maio? Foi nesse mês, em 2011, que a Organização Mundial das Nações Unidas lançou a Década de Ação pela Segurança no Trânsito 2011-2020. A ação da ONU buscou reunir governos de vários países a comprometerem a tomar medidas para prevenir os acidentes no trânsito, que matam cerca de 1,3 milhão de pessoas por ano.

A ONU alerta. Se nada for feito, as mortes vão se elevar para 1,9 milhões ao ano em 2020.

Basicamente, para fazer frente à violência do tráfego é preciso agir a partir de três pilares: Obras, Educação e Fiscalização.

Na BR-163/MS, a CCR MSVia tem agido efetivamente no nível das obras. Estamos fazendo a duplicação da rodovia. O pavimento está sendo restaurado. A manutenção e a conservação das pistas é permanente. E a sinalização foi modernizada e é permanentemente mantida.

Como complemento, o SAU-Serviço de Atendimento ao Usuário tem trabalhado diuturnamente para apoiar motoristas, passageiros e pedestres, com 17 Bases Operacionais, 500 trabalhadores e mais de 80 viaturas, entre guinchos leves e pesados, ambulâncias e veículos de serviços.

No plano da educação, temos realizado periodicamente campanhas ao longo da rodovia com a utilização dos nossos vários meios de comunicação como folhetos didáticos, faixas com frases de incentivo à prática da direção segura e mensagens didáticas nos painéis eletrônicos de mensagens variáveis, entre outros.

No plano da fiscalização, a Polícia Rodoviária Federal, PRF, tem operado com eficácia e excelentes resultados na repressão aos abusos dos maus motoristas e controle dos excessos cometidos ao longo da BR-163/MS.

Mas isso não basta. Nosso grande desafio é conquistar a mudança de comportamento dos condutores, pedestres e moradores de cidades servidas pela BR-163/MS.

Porque, apesar do senso comum culpar as vias em casos de acidentes, a mortandade absurda que acontece no país tem origem em maus condutores a bordo de veículos precários.

Anualmente são despejados nas ruas, avenidas e estradas brasileiras veículos mal cuidados e condutores despreparados, muitos dois quais sequer possuem habilitação.

É possível, sim, adotar medidas de Engenharia para melhorar as condições de segurança e fluidez de tráfego. Isso vem sendo feito em vários níveis no Brasil inteiro, inclusive na BR-163/MS, como já citamos.

A solução do problema passa por um pacto de todos os segmentos da sociedade em favor da conscientização pela vida.

Somente juntos conseguiremos enfrentar a violência do trânsito, ajustando leis, ratificando acordos sociais e fazendo valer o bom senso, a tolerância e o respeito mútuo.

Sozinhos o engenheiro, o policial, o comunicador ou o médico não serão capazes de reverter essa situação. O pacto pela vida depende do empenho pessoal de todos e da prática permanente da responsabilidade coletiva.

A partir deste mês de maio, sejam nossos parceiros e parceiras e vistam a camisa da defesa da vida no trânsito.

(*) Keller Rodrigues é engenheiro civil especializado em engenharia e segurança rodoviária e gestor de Interação com o Cliente da CCR MSVia

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions