A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Junho de 2018

21/04/2012 14:03

Mais uma conquista

Heitor Freire (*)

O trabalho como esforço aplicado para se conquistar algo sempre dá resultado. O seu sentido fundamental é o que fazemos com a nossa vida, procurando sempre fazer bem feito. As mulheres, aos poucos, estão conseguindo ocupar o verdadeiro lugar a que têm direito, como companheiras dos homens e como seres inteligentes que buscam sua realização.

Elas acabam de conquistar mais uma etapa na sua luta de afirmação pessoal. A partir do dia 04 último, conforme determina a Lei nº 12.605, publicada no Diário Oficial da União, as instituições de ensino públicas e privadas são obrigadas a flexionar o gênero para nomear profissão ou grau nos diplomas universitários. Trocando em miúdos: até então, como não existiam designações femininas para as profissões, por exemplo, de arquitetos, engenheiros e bibliotecários, entre outras, os diplomas universitários que lhes eram conferidos eram grafados somente no gênero masculino. Aparentemente é pouca coisa, mas não é não.

Eu tenho uma filha, Thaís, cujo diploma universitário expedido pela PUC-Campinas, lhe confere o grau de engenheiro civil. A arquiteta Sônia Chinzarian Miguel – filha do meu saudoso amigo e irmão Muxeque Chinzarian –, usava nas placas designativas de seus projetos a sua identificação como arquiteto, como se lê numa placa de uma obra na rua Maracaju. Agora tudo isso mudou, pois o texto da lei é imperativo: elas serão nomeadas como engenheiras, arquitetas, etc. Inclusive as atuais detentoras de diplomas com a designação, agora incorreta, poderão requerer a expedição de um novo, com a nomeação correta, sem qualquer custo financeiro.

Tempos atrás, conversando com o presidente do CREA, Jary Carvalho e Castro, comentávamos o assunto. Ele dizia que o CONFEA – Conselho Federal de Engenharia e Agronomia –, buscava uma solução para o problema. Agora ficou resolvido definitivamente, com a iniciativa do Governo Federal.

E assim, de conquista em conquista, as mulheres prosseguem em sua luta constante para merecer o respeito de todos.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

Condução coercitiva e os aspectos jurídicos
Em que pese tratar-se de temática absorta pela legislação processual penal desde a década de 40 (especificamente 1942, quando da entrada em vigor do ...
A carne mais barata do mercado é a carne negra
Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é...
O impacto da arte
Campo Grande foi agraciada neste fim de semana com um espetáculo de dança-teatro que, certamente, é digno de ser apresentado nas maiores cidades do m...
Promessas inviáveis
Nos próximos seis meses, assistiremos a três eventos: bons jogos de futebol, repetitivas eleições e promessas inviáveis. Os primeiros, em função da C...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions