A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Junho de 2018

22/02/2017 14:36

Novos pobres

Por Wellington Anselmo Martins (*)

Haverá, só neste ano, mais 3,6 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha da pobreza. É impossível (para quem ainda consegue estar saudável dentro deste mundo econômico doente) receber essa informação sem sentir náuseas! Com esses novos pobres, o Brasil chegará a tristes 10 milhões de seres humanos vivendo na extrema pobreza, ou seja, "vivendo" com cerca de R$ 150 por mês.

Os dados são do Banco Mundial, o sofrimento é desses dez milhões de miseráveis, mas a culpa é de todos nós. De cada um de nós, que fazemos parte deste contrato social que visa garantir a vida a todos, mas que, corrompido por nós mesmos, perpetua privilégios para o tradicional 1% mais rico enquanto proíbe o mínimo existencial a esses novos 3,6 milhões de extremamente pobres.

Somos todos responsáveis, tanto por aplaudir a Carta Magna, de 88, que declara ser "objetivo fundamental deste País erradicar a pobreza e reduzir as desigualdades", quanto por hipocritamente nos submetermos ao individualismo e consumismo desta contemporânea e inovadora ética dos vícios. Mas a nossa contradição testemunhará contra nós! Nós, que somos brancos e ricos, que temos pão e poesia, e enchemos as igrejas semanalmente para ouvir o sacerdote dizer que a salvação é pelo amor ao próximo, porém em momento algum, nós mesmos, fazemos realmente alguma "opção preferencial pelos pobres".

A classe média não é conservadora, como dizem. A classe média é egoísta! Pois defender a urgência política em favor desses necessitados não é coisa da esquerda, é coisa de qualquer um que tenha um pouco de fraternidade. "Liberté, Egalité, Fraternité", não por coincidência, é a síntese principiológica aprendida de uma revolução burguesa. Querer menos desigualdade ou ter um olhar fraterno, por isso, não é exclusividade socialista, mas característica de qualquer um que já aprendeu que esta vida não cabe dentro no próprio umbigo.

Ao assistir ao trágico cenário econômico atual, de aumento socialmente consentido das desigualdades e da intolerância contra pobres e demais minorias, é que o teórico polonês questiona: "A riqueza de poucos beneficia a todos nós?" (Zygmunt Bauman). Após derrubar a tese infantil de que do próprio mercado, dominado por aristocratas, surgiria um tipo de autorregulação, de "mão invisível" equilibradora, a pergunta se torna ainda mais profunda: por que aceitamos, século após século, que ainda haja a extrema riqueza e a extrema pobreza?

Nenhuma forma de extremismo é boa. E a fraternidade é a única mão, virtuosa, que pode moderar a sociedade, inclusive materialmente. Por isso, para quem tem a cabeça mais à direita, mas continua tendo algum coração, cabe fazer individualmente o mínimo: estender a mão, de modo voluntário, a quem mais precisa. E para quem, da esquerda, já consegue sonhar e buscar um mundo de maior justiça social, resta mobilizar-se coletivamente: de mãos dadas, denunciar então a ilegitimidade da sociedade e de todas as leis caso os 3,6 milhões, de novos extremamente pobres, continuem sendo tratados como sendo menos importantes do que aquele sempre privilegiado 1% de multibilionários.

(*) Wellington Anselmo Martins é mestrando em Comunicação (Unesp), graduado em Filosofia (USC), bolsista de pós-graduação (Capes).

A liberdade está sob ameaça dos insensatos
A contundente e oportuna defesa da liberdade de imprensa feita, em seminário recente, pela Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministra Cármen Lú...
Importa que a coisa ande
Independente do resultado de sua votação em plenário, o Projeto de Lei 3200 (sobre o registro de defensivos agrícolas) deu um passo importantíssimo c...
A Rússia que você não vai ver na Copa
‘Sob nuvens elétricas’ é um filme que, ambientado em 2017, um século após a Revolução Bolchevique, mostra uma Rússia que não aparecerá na Copa do Mun...
Analgésico esférico
A história se repete. Nesta semana de abertura da Copa os olhos mundiais se voltam para a Rússia, um país que esconde enorme população vivendo abaixo...


A direção do texto é boa e bem intencionada mas precisa incorporar a lógica do capital no impacto dessa geração da miséria, já pensando na revolução francesa como citado e a luta de classes sociais onde o estado precisa ser representado de forma forte pelos trabalhadores que são submetidos a essa lógica do capital. Não é apenas culpa do egoismo da classe média, que não possui projeto político claro, mas sim a concentração de riqueza pela lógica do capital.
 
Renato Andreotti em 22/02/2017 15:40:47
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions