A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

13/03/2014 09:32

O desenvolvimento brasileiro tem crédito

Por Marco Antonio Albuquerque de Araujo Lima e Fernanda Feil (*)

A oferta de crédito na economia nacional avançou consideravelmente na última década. O saldo das operações cresceu, a taxa de inadimplência caiu e a participação do financiamento destinado ao fomento subiu. A progressiva oferta de crédito atua como catalizadora do investimento, por meio do financiamento produtivo, além de promover o bem-estar da população via consumo de bens, principalmente duráveis, gerando um círculo virtuoso e estimulando o desenvolvimento econômico e social.

O crédito passou por um processo de universalização e democratização considerável nesse período, especialmente após 2007, quando eclodiu a crise financeira internacional. No Brasil, o aumento sustentável das operações pode ser atribuído à melhora de diversos indicadores macroeconômicos, como as menores taxas de juros e o crescimento econômico, além da adoção de medidas que aprimoraram o ambiente regulatório, sobretudo em relação ao crédito.

O resultado foi um salto no saldo da carteira de crédito em 2013 para expressivos 56% do Produto Interno Bruto, influenciado pelo aumento dos recursos direcionados – que englobam empréstimos do BNDES, financiamentos imobiliários, crédito rural e microcrédito, que alcançou 25% do PIB. O crédito direcionado é justamente o grande responsável pelos investimentos produtivos no Brasil. O Sistema Financeiro Público ganhou participação no sistema Financeiro Nacional e hoje é responsável por 51% do total do crédito no País.

Adicionalmente, a taxa de inadimplência registrou queda significativa ao longo de 2013, fechando em 3,0% - índice 0,7% menor do que em dezembro de 2012. Por sua vez, enquanto as instituições financeiras sob controle público encerraram o ano com taxa de inadimplência de 1,8%, as sob controle privado apresentaram taxa de 4,2%. Quer dizer, a carteira de crédito do Sistema Financeiro Público aumentou sem prejudicar sua solidez.

Há inúmeros motivos para defender a existência de um setor público forte dentro do Sistema Financeiro Nacional. Para entender o raciocínio, basta dizer que a ampla rede de proteção das instituições financeiras públicas deu ao Brasil condições de atravessar o pior momento da crise financeira mundial recente sem o que em economia conhecemos como o empoçamento das economias desenvolvidas, que não contam com a mesma rede. Foi também graças a esse sistema que a taxa de investimento da economia se manteve relativamente estável. Grandes instituições como BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, sem falar da rede de bancos de desenvolvimento estaduais e regionais e das agências de fomento, foram responsáveis pela manutenção da oferta de crédito.

No entanto, a razão da defesa de um sistema forte não se limita a essa atuação. As instituições financeiras públicas agem em um escopo muito maior. São responsáveis pela maior capilaridade do sistema financeiro, entrando em regiões, áreas, setores e esferas sociais estratégicas para a economia nacional, contribuindo para diminuição das desigualdades sociais e para o desenvolvimento regional. Funcionam também como agentes do financiamento de longo prazo que viabiliza os investimentos em infraestrutura logística, saneamento, mobilidade e urbana, entre outros, o que estimula o desenvolvimento econômico. Finalmente, o Sistema Financeiro Público atua também como agente regulador, via concorrência, da atividade financeira.

Temos, portanto, razões para comemorar os dados divulgados pelo Banco Central. Mais importante, as perspectivas para o futuro são promissoras uma vez que a oferta de crédito como um todo tende a seguir em alta. O ciclo de consumo ainda está longe de acabar e o financiamento para investimentos produtivos, principalmente nas áreas de infraestrutura, logística, petróleo e gás seguirão crescendo consideravelmente. Então, que venham os próximos anos com abundância de desenvolvimento.

(*) Marco Antonio Albuquerque de Araujo Lima é superintendente-executivo da Associação Brasileira de Instituições Financeiras de Desenvolvimento (ABDE). Fernanda Feil é gerente de estudos econômicos da entidade.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions