A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

11/10/2017 07:21

Por que não dá para dialogar com o machismo?

Por Vivian de Jesus Correia e Silva (*)

Ele anda na frente e deixa a mulher andando mais para trás. Não quer andar ao lado dela, ou dar as mãos. Sempre com pressa, não presta atenção. Corta o assunto.

Também acha desnecessário elogiar. De repente, ela se percebe falando sozinha. Raiva, tristeza, rejeição? Não. Agradece, mulher!

A mulher podia dizer assim: “obrigada por me deixar falando sozinha, querido, percebi que, falando sozinha estou mais acompanhada, do que quando eu achava que estava falando com alguém como você.” Ou ainda, outra sugestão: “obrigada amorzinho por mudar completamente de assunto enquanto eu te abria meu coração, assim e só assim percebi que não preciso mostrar nada de mim para você”.

Obviamente, tudo isso também pode e deve ser transportado para a realidade masculina. Os homens também sofrem. E sabemos que não dá, simplesmente, para levantar e ir embora, para terminar com ele/ela é mais difícil porque ele/ela se disfarça e volta. Com outra cor de olho, com outro tipo de cabelo. Muda até de nome e de profissão. Só que as ações, ah, as atitudes são as mesmas. Saiba reconhecer esse tipo social dentro ou fora de você, independente do seu sexo:

- Pára de acreditar que, para cada homem existirá uma mulher para completá-lo e para cada mulher existirá nalgum lugar um homem para completá-la.

- Pára de dizer que as coisas certas tem hora certa para acontecer. Temos 24 horas por dia para fazer o que é certo. Vai ter que se mexer, mudar, enfim, não tem jeito.

- Pára de querer a companhia de alguém para ter segurança. Procure você mesmo pela sua segurança, olhe melhor para entender a si mesmo e aos seus medos. Existe apoio profissional para isso e fica mais barato que a cervejinha semanal.

- Pára de querer colocar um macho em casa ou de induzir alguém a achar que isso é mesmo necessário.

- Pára de procurar ajuda masculina ou feminina para criar seu filho. Assuma a criança que você fez e faça mais do que pagar as contas ou contratar a babá ou escolher a escola. Faça companhia.

Depois de refletir um pouco, desconfia se:

1º) Ele/ela não quer participar da sua rotina nas coisas simples. Isso não é um vínculo afetivo decente. Dizer que ama e deixar a louça acumulada é um retrocesso afetivo

desnecessário na vida de qualquer ser humano.

2º) Ele não aceita receber uma carona sua. Um homem que ainda estranha uma mulher que dirige e se sente desconfortável com isso é, no mínimo, um ser fora do planeta.

3º) Ela sempre quer uma carona sua. Uma mulher que não garante seu próprio deslocamento é no mínimo um ser que pode estar mais afim das suas quatro rodas do que de seus bilhões de neurônios.

4º) Alguém que, para se sentir bem, precisa fazer a mulher/homem se sentir mal. Piadinhas não são inocentes, são formas de dizer para você, covardemente, os valores que a pessoa apregoa, mas não assume; pratica, mas não percebe.

5º) Ele/ela quer te convidar para conhecer (e te converter) para a religião dele(a) mas ainda não se deu ao trabalho de perguntar qual é a sua.

6º) Você está na carência? Talvez seja o subproduto de um relacionamento onde alguém está te rejeitando, não cumprindo os combinados, não dormindo junto depois do prazer, não atendendo aos apelos por reciprocidade.

7º) Vocês são muito ocupados e vivem cansados e estão endividados. Todo mundo está nessa. Por isso, ninguém precisa limpar o banheiro da casa de ninguém ou pagar as contas de ninguém. Ou lavar e estender a roupa de ninguém.

E se moram juntos, vale uma escala, escrita no papel e pendurada atrás da porta, com direito a assinalar um X na data da realização da obrigação e de quem pagou o quê.

Porque dessa, ninguém escapa. Nas tarefas domésticas, ninguém ajuda ninguém. Nas contas, ninguém ajuda ninguém. Trata-se de uma obrigação mútua para qualquer ser vivo que habita o ambiente doméstico: homens, mulheres, idosos, crianças e adolescentes. Todos comem, bebem e sujam e tem obrigações a cumprir. E se você não se sentir à vontade para fazer essa lista óbvia de distribuição de tarefas que estão correndo de forma injusta, volte para o primeiro item da lista.

Luta com mais força para a remoção dessa semente que plantaram aí no seu peito. É dela que germina a erva venenosa que vai te matar e acabar com todas as famílias.

Ela se alimenta da sua alegria e da sua saúde e, de troco, ainda alimenta todas as suas inseguranças e o pior de todos os seus medos.

Para matar o machismo não precisa se afastar dos homens. Nem culpar as mulheres, elas já carregam culpas demais. Até a Bíblia fala que foi por causa delas que perdemos o paraíso. Faça um serviço social e ético para a humanidade inteira. Mata o machismo dentro de você, todos os dias. Vigia suas atitudes.

Dicas? Deseduque as crianças dessa escola do mal. Dê bonecas aos meninos e carrinhos para as meninas. Quem sabe elas poderão dirigir mais cedo e se responsabilizar logo pelas próprias despesas. E quem sabe eles sejam pais mais presentes e carinhosos e, por isso, mais felizes. Assuma o risco de fazer, sem reclamar, um bolo com seu filho adolescente e pregar, sem xingar, umas prateleiras com a sua filha de sete anos. É difícil e todos nós estamos aprendendo. Tenha paciência. E insista sete vezes sete.

Mesmo que cause dor, não dá para aceitar na nossa vida pessoas que não venham para somar. Porque, fatalmente, ela/ele vai te subtrair das tuas reservas mais importantes. O machismo não deseja dialogar com ninguém.

(*)Vivian de Jesus Correia e Silva é psicóloga, doutoranda e meestra em Psicologia e Sociedade pela Unesp de Assis. Contato: vivianjesuscorreia@gmail.com

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions