ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  06    CAMPO GRANDE 23º

Artigos

Preparar as novas gerações para a vida

Por Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*) | 23/04/2019 13:00

A cada dia que passa os problemas vão se avolumando. As novas gerações têm de ser preparadas para auxiliar na superação. O padrão de ensino tem sido o de manter as pessoas acomodadas sem desenvolver o espírito inquiridor para conhecer a vida como ela é e para entender seu significado. Assim, um povo com tendência à indolência acaba se acomodando de vez sem se esforçar para ter clareza e raciocinar com lucidez para tomar boas decisões.

Temos de formar seres humanos de fato para que a sociedade possa evoluir continuadamente; para isso os jovens necessitam da aprendizagem social e emocional como dizem Daniel Goleman e Peter Senge, autores do livro O Foco Triplo. Aqui estamos para alcançar evolução, assim sendo os relacionamentos devem ser harmoniosos. Faltam a autoconsciência, a empatia e a clareza do próprio querer e no raciocinar para tomar decisões acertadas. Isso tudo é muito importante, mas o querer egoístico e a vaidade têm feito tudo desmoronar.

A força vem da alma. Quando estamos em sintonia com o querer interior temos a motivação vinda do âmago; é a força de vontade. Sem ouvir a intuição, o querer não tem a força motivadora vinda de dentro. Nesse caso é o espírito que tem de ser forte para alcançar o que quer: ir em busca de seu objetivo, afastar os pensamentos inúteis. Faltam amor e consideração e estímulos para as pessoas agirem com toda a sua capacidade e com atenção ao que fazem. Há muito ódio e insatisfação com a própria vida espalhados pelo mundo sob diversas formas. Programas para cultivar o amor e a consideração deverão ser o meio para humanizar o ensino.

A situação é dramática, mais ainda quando se percebe que além da pobreza falta o bom preparo em grande parte da população o que agrava ainda mais as precárias condições de vida. E ainda mais, faltam modelos inspiradores para os jovens e pessoas em geral. Com toda riqueza natural o país é pobre, com rios poluídos, barragens detonadas e cidades ao abandono. Pequena parte da riqueza fica nas mãos de poucos que não se preocupam com o país; o restante vai embora e a precarização avança.

Os seres humanos têm a mesma origem espiritual e é o desenvolvimento espiritual que assinala o grau de evolução que deveria estar em nível bem elevado para todos, mas ocorreu a inesperada estagnação. Compreender o eu interior implica em ativar a intuição para que o eu possa se manifestar por meio dela.

Enquanto havia grande facilidade em obter ganhos, tudo caminhava, mas agora não dá para continuar com o sistema da velha economia. Com estoques volumosos e capacidade ociosa surgem as instabilidades no comércio, nas finanças, no nível de empregos, mas qual é a origem desse estado de instabilidade geral? Importa hoje, diante de tantos fracassos e misérias, saber o que está se armando no mundo?

Em geral, tudo funciona como se fosse um sistema bem ordenado, um conjunto de fatores bem encadeados. Compreender a lógica dos sistemas incentiva o trabalho da intuição que vai adquirindo uma visão mais ampla do todo. Mas hoje vivemos a fase da fragmentação geral. O planeta está sendo sacudido pelos fenômenos naturais, mas os seres humanos pouco se ocuparam em entender a natureza, promovendo a sua degradação em decorrência de seu desrespeito às leis naturais. O homem quer impor a sua vontade sem observar como a natureza funciona e vai colhendo dificuldades em vez de o melhor que a natureza respeitada pode oferecer.

No mundo materialista, a humanidade tem sido mantida distante da verdade espiritual da vida que se inscreve nas leis da natureza. Tudo tem um sentido e um propósito, mas poucos querem enxergar e compreender. Quem procurar seriamente vai achar. Conhecereis a Luz da Verdade e ela vos libertará, mas há que haver esforço e análises irrestritas. O tempo da indolência espiritual e da crença cega está findando.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida.