A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

22/04/2012 08:40

Prioridade para educação

Luiz Gonzaga Bertelli (*)

A presidente Dilma Rousseff, em mais uma viagem internacional, foi aos Estados Unidos na semana passada, para tratar, entre outros assuntos, de questões relacionadas ao ensino superior. Visitou Harvard, a mais importante universidade do mundo, e o mítico Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), na companhia do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, para apresentar e discutir o programa Ciência Sem Fronteira – projeto que pretende enviar 100 mil brasileiros para estudar em universidades estrangeiras. Assinou convênios de cooperação, ampliou o número de bolsistas e mostrou preocupação com a formação acadêmica, principalmente na área de ciência e tecnologia.

A formação dos estudantes nessas áreas estratégicas é uma das pedras no sapato dos últimos governos. Já faz tempo que o Brasil naufraga nas avaliações de estudantes em ciência e matemática, em comparação com as nações mais desenvolvidas. Portanto, metas como o aperfeiçoamento nas melhores universidades dos Estados Unidos e da Europa, por mais meritórias que sejam, continuam a privilegiar a ponta superior do sistema de ensino. Ou seja, embora sejam valiosas para a qualificação de alunos e para alavancar o desenvolvimento nacional, mas não terão o condão de resolver o mais grave problema estrutural da educação brasileira, que se situa na base do sistema – no crucial período que vai das creches ao ensino médio.

Para uma nação que pretende desempenhar um papel destacado no cenário mundial, o Brasil ainda engatinha nas questões relevantes para reduzir a perversa desigualdade educacional (aliás, a raiz de todas as outras). A formação deficiente de professores, os baixos salários, a falta de estrutura das escolas, o investimento pífio em pesquisa, a resistência às avaliações e às premiações ao mérito – todos esses fatores prejudicam o alívio no gargalo de mão de obra qualificada, que as empresas já enxergam hoje como sendo o grande entrave para o desenvolvimento econômico do país.

A partir do programa Ciência Sem Fronteira, esperamos que a preocupação com a qualidade de ensino volte a permear as discussões e a educação se torne novamente prioridade entre as várias instâncias do poder público. E não é pedir demais. É importante que os alunos saiam do ensino básico sabendo ler e escrever perfeitamente e fazendo as operações elementares sem dificuldades. Que tenhamos um ensino médio forte, utilizando as novas ferramentas didáticas que impulsionem o gosto dos jovens pela ciência e tecnologia. E que o poder público invista em pesquisa nessas áreas para que possamos formar talentos aqui, sem precisar ir ou buscá-los fora de nossos limites.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions