A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 20 de Fevereiro de 2018

01/08/2017 17:14

Quanto tempo o tempo tem

Por Heitor Freire (*)

O tempo perguntou ao tempo, Quanto tempo o tempo tem.
O tempo respondeu ao tempo: O tempo que o tempo tem,
É o tempo que o tempo tem...

...ou seja, infinito. A questão do tempo é uma incógnita que permanece indecifrada e que está permanentemente na tela de todas as pessoas.

Como utilizar o tempo? Hoje, com as vicissitudes da vida moderna o tempo se tornou uma das grandes questões a serem resolvidas. O tempo é fugaz? Ele passa a jato? Quando se vê já passou o ano?

Mas, na realidade, no meu entendimento, só existe um tempo: o presente. É nesse espaço de tempo que vivemos. É o momento. O passado já passou e o futuro ainda não chegou.

Porém, é mais confortável viver do passado ou das expectativas do futuro do que enfrentar o presente.

Segundo santo Agostinho em suas Confissões, livro XI, “... o tempo é presente, enquanto nenhum tempo é todo ele presente: e veja que todo o passado é obrigado a recuar a partir do futuro, e que todo o futuro se segue a partir de um passado, e que todo o passado e futuro são criados e derivam daquilo que é sempre presente?”

Diz mais: “No entanto, existem, pois, tanto coisas futuras como passadas. Se existem coisas futuras e passadas, quero saber onde estão. Mas se isso ainda não me é possível, sei, todavia, que onde quer que estejam, aí não são futuras nem passadas, mas presentes. Na verdade, se também aí são futuras, ainda lá não estão, e se também aí são passadas, já lá não estão.

Por conseguinte, onde quer que estejam e quaisquer que sejam, não existem senão como presentes. Ainda que se narrem, como verdadeiras, coisas passadas, o que se vai buscar à memória não são as próprias coisas que já passaram, mas as palavras concebidas a partir das imagens de tais coisas, que, ao passarem pelos sentidos, gravaram na alma como que uma espécie de pegadas.

Até a minha infância, que já não existe, existe no tempo passado, que já não existe; mas vejo a sua imagem no tempo presente, quando a evoco e descrevo, porque ainda está na minha memória”.

Viram como é confuso?

Ainda Agostinho: “Uma coisa é agora clara e transparente: não existem coisas futuras nem passadas; nem se pode dizer com propriedade: há três tempos, o passado, o presente e o futuro; mas talvez se pudesse dizer com propriedade: há três tempos, o presente respeitante às coisas passadas, o presente respeitante às coisas presentes, o presente respeitante às coisas futuras.

Existem na minha alma estas três espécies de tempo e não as vejo em outro lugar: memória presente respeitante às coisas passadas, visão presente respeitante às coisas presentes, expectação presente respeitante às coisas futuras.
Se me permitem dizê-lo, vejo e afirmo três tempos, são três. Diga-se também: os tempos são três, passado, presente e futuro, tal como abusivamente se costuma dizer; diga-se.

Pela minha parte, eu não me importo, nem me oponho, nem critico, contanto que se entenda o que se diz: que não existe agora aquilo que está para vir nem aquilo que passou. Poucas são as coisas que exprimimos com propriedade, muitas as que referimos sem propriedade, mas entende-se o que queremos dizer”.

Cá prá nós: ainda bem que o tempo existe, sem ele seria tudo muito chato. O tempo muda tudo, tudo passa. Infinitamente. Graças a Deus.

De tudo isso, cá do meu canto, deduzo que só existe mesmo, como já disse acima: o presente. E tempo é uma questão de administração e de preferência. Ponto.

(*) Heitor Rodrigues Freire é corretor de imóveis e advogado.

Momento supremo
Existe um momento supremo em nossas vidas? Um momento em que se atinge um clímax, em que tudo se realiza? Nesse caso é um momento só? Único? Isolado?...
A percepção do consumidor está na experiência digital
A conveniência da internet transformou o varejo e as compras on-line em experiência de consumo compartilhadas em tempo real. Mas o que isso quer dize...
Que tiros serão esses?
O Brasil nunca viveu uma guerra civil. Mas já amargou momentos em que os militares oprimiram o povo, suprimindo garantias individuais, suspendendo a ...
O destino de uma nação
Há filmes que valem por um ator ou atriz. Outros, por uma cena marcante. 'O Destino de uma Nação', dirigido por Joe Wright, reúne esses dois elemento...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions