A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

23/08/2012 12:47

Sangue azul

Por Júlio César Cardoso (*)

Os funcionários federais das chamadas carreiras de Estado -Banco Central, Receita Federal, Polícia Federal etc. - foram pejorativamente classificados pela presidente da República de “sangues azuis”.

Quem tem "sangue azul” é a própria presidente Dilma, que jamais fez um concurso público, mas há muito tempo recebe do Erário Nacional por exercícios em atividades públicas. Se fosse uma concursada, certamente, ela teria outro comportamento com os servidores federais.

A reposição salarial, para ajustar o poder de compra, corroído pela inflação, é um direito constitucional de todos os trabalhadores. Vê se a presidente Dilma tem coragem de reduzir o seu próprio salário e de seus ministros, como prova de contenção das despesas públicas diante da situação econômica do país em relação à crise mundial?

Durante o governo FHC o funcionalismo público sofreu arrocho salarial, agora é o arrocho salarial da gestão Dilma Rousseff, cujo PT sempre se posicionou a favor dos reajustes salariais. Ademais, causa estranheza a deselegância da presidente ao tachar de “sangue azul” os portadores de salários superiores a R$10 mil. Ou ela acha que todos deveriam se alinhar pelo valor do salário mínimo?

Assim, é inaceitável essa descortesia presidencial ao tratar de forma pejorativa as justas reivindicações salariais dos servidores das chamadas carreiras de Estado, que são importes ao país. De mais a mais, é necessário esclarecer que não há inoportunidade na revisão salarial em causa, visto que essas categorias públicas estão com seus salários defasados há mais de três anos.

(*)Júlio César Cardoso é bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions