A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

10/05/2017 09:47

Suicídios – tantos porquês

Por Maria Julia Kovacs (*)

A morte ainda é tema tabu na atualidade e o suicídio é o ápice no espectro das interdições. Sempre foi difícil abrir espaço para falar sobre o tema, mas hoje dois eventos abriram a discussão sobre a questão que normalmente é calada, pois o principal aspecto sempre aventado é que falar sobre suicídio pode induzi-lo, pelo contágio.

Nos últimos meses, o assunto viralizou no Facebook, redes sociais e recentemente também em notícias de jornal e TV. Essa onda atual começou com o game Baleia Azul e a série da Netflix – 13 razões por que (Thirteen reasons why). Observamos que do silencio partimos para o escancaramento do tema, com várias inserções cotidianas, e ainda pouca elaboração reflexiva.

O suicídio é morte inesperada, repentina e violenta que atinge de forma impactante 6-8 pessoas, que imediatamente se tornam enlutados de risco, pelo alto grau de culpa que suscita, sendo denominados de sobreviventes por essa razão. Observa-se intensa busca de explicações, que nunca parecem satisfazer a necessidade de compreender o que não tem explicação.

A série 13 razões por que se baseia na necessidade de explicar a morte por suicídio de Hannah Baker, uma jovem de 17 anos que deixa treze fitas destinadas aos seus amigos próximos, apresentando o que não conseguiu que fosse ouvido, enquanto estava viva. Essas fitas têm o caráter de uma carta acusadora, praticamente enlouquecendo seus ouvintes, que ficam muito abalados com o que ouvem. Esse é o ponto contraditório da série, porque implica que pessoas à volta de Hannah são responsáveis pelo suicídio. É preciso ressaltar que o suicídio é responsabilidade de quem o consumou.

O suicídio é responsabilidade, ou seja, é a possibilidade de responder a uma dada situação. Na série são apresentadas situações de bullying, estupro e outras situações de violência. A protagonista menciona em várias cenas que se sentia isolada e invisível. Os sentimentos e percepções apresentados são parte de sua experiência, portanto legítimos, o que está em discussão é que essas percepções sejam apontadas como causa do suicídio.

O bullying, a violência, o isolamento, a não consideração de seus anseios podem ser fatores que precipitaram o ato suicida, mas a atribuição de causalidade nos leva a uma avaliação simplista e por isso incorreta. O suicídio é um caminho de ação possível, mas não o único.

Inúmeras outras respostas poderiam ser dadas como observamos nos colegas e amigos de Hannah, que também tiveram seus conflitos e sofrimento e responderam com conversas, briga, aceitação, afastamento, atos agressivos, entre outras tantas possibilidades. O suicídio envolve uma longa história que tem seu início nas primeiras ideações, pensamento recorrente, planejamento e tentativa, finalizada com o ato suicida.

A série insinua que amigos próximos e os pais são responsáveis pelo suicídio. Essa atribuição causa, além da dor da perda, o ônus da culpa, o que é muito penoso para os enlutados.

A importância da série é abrir o diálogo, discussão e reflexão, permitindo que se aprofundem questões relativas ao suicídio. Nunca se falou tanto sobre esse tema numa época em que o número de suicídios entre jovens cresce exponencialmente. Portanto, é interessante discutir a série em casa no meio familiar, na escola, nas universidades.

Baleia azul é um game que se iniciou como notícia falsa na Rússia e se espalhou em vários países do mundo, chegando agora ao Brasil. Como jogo, tem suas regras e seus curadores (nome estranho para quem dirige esse jogo), que têm como objetivo propor desafios que devem ser cumpridos pelos jogadores jovens, com o risco de, se desistirem ou deixarem de cumprir uma etapa, serem ameaçados de retaliação. São 50 passos culminando com o ato suicida. Há referencia de jovens que morreram em função do jogo, inclusive no Brasil.

O que motiva o jogo pode ser curiosidade, mas também a busca de respostas para uma vida sem sentido ou como um desafio com mais adrenalina. Ao descobrir a intenção do jogo é possível sair dele, mas o que fazer quando o medo de sair do jogo supera o instinto de proteção da vida? Em meio a um grande número de jovens isolados, deprimidos, vulneráveis, esse jogo cai como bomba.

Perguntas são inevitáveis, por que o jogo foi criado? O que querem os seus curadores? Por que há pessoas que têm interesse em levar pessoas ao suicídio? Por que um jovem não abandona o jogo ao se sentir tão ameaçado? Por que precisa ir até o fim? Para que se possam buscar compreensões, esse jogo precisa ser informado, socializado e discutido em vários fóruns.

Tanto a minissérie quanto o jogo aumentaram de forma significativa as consultas ao CVV (Centro de Valorização da Vida) para poderem falar e serem ouvidos. Estimularam também a necessidade de que pais e professores conversem mais com seus filhos e alunos, e observem comportamentos: mudanças de comportamentos habituais, isolamento, queda do rendimento escolar e depressão. Como reação ao game Baleia Azul, surgiu o Baleia Rosa com passos que envolvem busca de situações de valorização da vida.

Suicídios nos trazem mais questões do que respostas. Mais do que calar é preciso refletir e discutir o tema com os jovens, e eles poderão nos orientar nessa difícil tarefa em casa e na escola. Observamos que algumas instituições educacionais já promoveram reuniões com jovens para discutir a questão.

Acreditamos que a melhor forma de compreender e prevenir suicídios é abrir espaço para conversas e reflexão e não simplesmente interditar o tema. Há uma falsa compreensão de que falar sobre suicídio pode incentivar o suicídio. Pelo contrário, ignorar ou não falar sobre os sinais de risco referidos acima leva ao risco de que o suicídio seja a única saída possível. É fundamental nesses casos encaminhar os jovens para atendimento psiquiátrico e psicológico e para ONGs como o Centro de Valorização da Vida.

(*) Maria Julia Kovacs é professora associada do Instituto de Psicologia da USP e coordena o Laboratório de Estudos sobre a Morte

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions