A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

11/03/2014 08:42

Tesouro para o futuro

Por Maurício Antônio Lopes (*)

O botânico, geneticista e geógrafo russo Nikolai Vavilov (1887-1943), infelizmente, é pouco conhecido. Em 1919, ele iniciou expedições a dezenas de países dos cinco continentes, inclusive o Brasil, para recolher de maneira sistemática variedades de todas as espécies que pudesse. Vavilov era obcecado pela biodiversidade e sonhava resolver o problema da fome. Após anos de conflito com o regime stalinista, ele morreu, preso em um campo de trabalhos forçados na Sibéria. Redimido pela História, Vavilov é aclamado como o pioneiro da criação de bancos genéticos para a preservação e melhoramento das espécies cultivadas – um Noé dos vegetais.

Hoje há milhares de Vavilovs pelo mundo, coletando sementes e tratando de estudá-las, catalogá-las e protegê-las para garantir acesso à diversidade e segurança alimentar. São cientistas de instituições de diferentes países que guardam o patrimônio genético como o principal fundamento da agricultura. O símbolo máximo da preocupação com estes recursos vitais para a humanidade fica a 1.200 quilômetros do Ártico, em um arquipélago remoto pertencente à Noruega. Ali, dentro de uma montanha permanentemente gelada, foi construído em uma rocha o Silo Global de Sementes de Svalbard, um cofre gigantesco que armazena um tesouro da humanidade.

Três câmaras subterrâneas de concreto, mantidas a 20 graus abaixo de zero, foram construídas no final de um túnel de 150m de comprimento e 180m abaixo do topo da montanha. Este cofre cavado em rocha sólida guarda caixas hermeticamente fechadas com cerca de 800 mil amostras de sementes pertencentes a dezenas de países. Todo o conjunto foi construído para durar centenas e até milhares de anos e resistir ao que for possível imaginar: terremotos, acidentes nucleares ou aquecimento global. A capacidade é de 4,5 milhões de amostras de sementes, que podem garantir a recuperação de espécies alimentares daqui a centenas de anos. O Brasil depositou, em fevereiro, 514 acessos de feijão, que se juntaram aos 264 acessos de milho e 541 acessos de arroz, enviados pela Embrapa em 2012. Materiais como o feijão- caupi, o trigo tropical, sementes de pastagens, entre muitos outros, poderão ser enviados no futuro.

O material genético enviado para o Silo de Svalbard é composto de duplicatas do material que ficou no Brasil. É uma segurança adicional para as futuras gerações de brasileiros. As sementes depositadas reúnem características especiais, aperfeiçoadas na natureza, forjadas pelos agricultores ou moldadas em programas de melhoramento genético. O feijão, nosso alimento nacional, não surgiu no Brasil, mas hoje é completamente adaptado às nossas condições. Por ser cultivado aqui há séculos, possui muitas variedades, cada uma diferente daquelas encontradas em outros países. Enviar uma cópia de segurança a Svalbard simboliza o nosso cuidado e atenção com a segurança alimentar no futuro.

O Banco Global de Svalbard é, na verdade, um legado da nossa geração.

É como uma apólice de seguro contra a ameaça constante da perda de variabilidade genética, um dos maiores perigos a rondar a humanidade. As sementes conservadas em bancos de germoplasmas contêm reservas de genes que poderão nos ajudar a enfrentar múltiplas ameças à segurança alimentar e nutricional no futuro. Podem, por exemplo, viabilizar respostas aos impactos do aquecimento global e da intensificação de estresses esperados para as próximas décadas: novas pragas e contaminantes, demanda por alimentos mais nutritivos, além de exigências ainda desconhecidas de uma sociedade cada vez mais preocupada com a sustentabilidade.

Não são poucos os desafios para garantir a segurança alimentar num planeta que deverá alcançar nove bilhões de pessoas em 2050. A demanda por alimentos deverá aumentar 50% até lá. O Silo de Svalbard ajuda a chamar a atenção e sensibilizar para a necessidade de preservar recursos essenciais para o futuro da humanidade. Sem esses recursos não há sobrevivência. Esse projeto inovador é também um símbolo da capacidade humana de unir visões e esforços, acima das diferenças políticas, religiosas ou culturais, em torno de um projeto de sobrevivência e sustentabilidade.

É um alívio saber que nossa geração fez uma apólice de seguro para colheitas futuras. Vamos torcer para que nunca tenhamos que recorrer a sementes enviadas a Svalbard. Assim como torcemos para nunca recorrer a um seguro de vida.

(*) Maurício Antônio Lopes, presidente da Embrapa

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions