A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

21/02/2017 08:28

Tudo é marketing

Por Walter Roque Gonçalves (*)

Segundo Luciano Modesto, da Agência Sete, o marketing está em tudo na empresa. Afinal, marketing não é apenas o desenvolvimento de marcas e produção de peças para veiculação, entre outras, em rádio, jornais, emissoras de tv: “O marketing está presente a toda hora”, quando a empresa atende um cliente, na forma de se expressar, abordagem, simpatia, preparo, no uniforme, cafezinho oferecido, atendimento ao telefone, na comodidade das instalações, gentileza e solicitude dos funcionários e assim por diante.

E quanto aos resultados dos investimentos em marketing? O especialista Rafael Damasceno, CEO da Supersonic afirma que ferramentas como Google Analitytics, Adwords, Facebook e os indicadores que estes oferecem, estão mudando a forma que o empresário vê a publicidade e o marketing. Segundo Damasceno, estes recursos influenciaram os gestores, pois entregam o que eles sempre desejaram: números que comprovem a performance dos investimentos em marketing e publicidade.

Há de se observar ainda que os 20% de Bônus de Veiculação (BV), garantido por lei às agências de publicidade, pode criar a tendência destas empresas simplesmente focarem mais em veicular do que nos resultados para as empresas que os contrataram. O presidente da Fenapro (Federação Nacional das Agências de Propaganda), Glaucio Binder, reforça esta questão em entrevista no site promark.com.br: “O fee das agências de publicidade está baixando (...). Não podemos defender nosso quinhão sem entregar resultado”.

As métricas ainda precisam de melhorias, contudo, esta é a principal tendência no momento. É o que demonstram pesquisas que comprovam a demissão de 48% das lideranças de marketing dos 30 maiores varejistas americanos nos últimos 12 meses. “Algumas agências investem infinitamente mais tempo discutindo a estética de suas peças do que planejando e mensurando o impacto real que elas trarão para o bolso dos clientes”, diz Rafael Damasceno.

Soma-se a este fato a mudança de postura de empresas como o McDonald's que abriu concorrência para a carteira de marketing e, após 35 anos, a agência Leo Burnett perdeu espaço para o grupo Omnicom. A nova agência receberá preponderantemente por performance.

Este é um sinal que não pode ser ignorado pelo mercado, pois o McDonald's é o 28º maior anunciante dos Estados Unidos e investe mais de US$ 1,43 bilhão por ano em compra de mídia.

A realidade que vivemos impõe resultados reais e mensuráveis, que passam pelo desafio de integrar as ações do marketing aos esforços da empresa para atender e vender ao cliente final. O desafio é das agências, mas também das empresas! Estas precisam assumir sua parcela de responsabilidade neste processo. Afinal, tudo na empresa é marketing.

(*) Walter Roque Gonçalves é consultor de empresas, professor executivo e colunista da FGV/ABS (FGV/América Business School) de Presidente Prudente

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions