ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Audiência apresenta viabilidade de novo anel rodoviário na BR-163

Com entrega prevista para 2026, população questiona necessidade de obras em rodovia

Gustavo Bonotto e Natália Olliver | 13/03/2023 16:29
Vereadores e responsáveis por órgãos da prefeitura estiveram presentes em audiência pública. (Foto: Natália Olliver)
Vereadores e responsáveis por órgãos da prefeitura estiveram presentes em audiência pública. (Foto: Natália Olliver)

Audiência pública no plenário da Câmara Municipal de Campo Grande discutiu a implantação de um novo anel rodoviário da BR-163. A obra, que teve o estudo apresentado na tarde desta segunda-feira (13), tem previsão de estar pronta em até três anos caso seja aprovada pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres).

Além da necessidade de mudança de lugar, o estudo também prevê melhorias para o trecho onde o anel está atualmente. Iluminação de 12 quilômetros, duplicação de 67 km do perímetro urbano, 18 paradas de ônibus, 9 rotatórias alongadas, 3 passarelas e 100 m de via marginal.

Pontos de interdição na BR-163. (Arte: Lennon Almeida)
Pontos de interdição na BR-163. (Arte: Lennon Almeida)

O edital de concessão da BR-163 modula a obrigatoriedade de uma nova concessionária, além de trechos exclusivos para o deslocamento de veículos pesados.

Segundo o engenheiro Gustavo de Assis, a concessionária CCR MSVias deve ficar até mais dois anos na exploração da rodovia. "Depois disso não pode mais. Foi feita uma nova licitação no trecho entre Campo Grande e Sonora. Vamos ter mais uma audiência publica em Brasília, e só depois vamos fechar o processo de contratação".

Vera Cristina Galvão Bacchi, diretora adjunta da Planurb (Agência Municipal de Meio Ambiente e Planejamento Urbano), pontuou que a proposta foi realizada após o crescimento da região. "Estamos crescendo e precisamos que a rodovia tenha mobilidade. Não podemos deixar que a cidade seja cortada e cria-se uma nova Campo Grande".

Para Janine de Lima, diretor-presidente da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), o anel se torna viável pela rapidez. "O cidadão que quer cortar caminho, com o fluxo de quem tá viajando e anda a 140 km por hora e são apenas passagem ali. São reações diferentes e isso reflete em numero de mortes que vemos nos últimos anos. Esse conflito começa a ficar ruim".

Representantes de pessoas que moram na região participaram da audiência e questionam as melhorias previstas no estudo.

Carlos Henrique Faustino, presidente da Associação de Moradores do Prosa diz que "não adianta a gente enxugar gelo, temos que pensar no futuro. Fazer coisas paliativas, como essa obra, não vai beneficiar a população do Prosa e Segredo. E no fim, a comunidade é a última a saber".

"Eu moro nas proximidades do anel, e acho que a duplicação vai ser inútil. Vão ser mais pistas para causar mais trânsito, em um tempo inviável de construção, e que no final das contas não vai resolver os problemas que enfrentamos hoje. Na minha opinião, isso vai aumentar o fluxo de veículos", afirmou Cássia Fátima de Emílio, de 50 anos.

Cássia Fátima mora nas proximidades e desaprova novo ciclo de obras. (Foto: Natália Olliver)
Cássia Fátima mora nas proximidades e desaprova novo ciclo de obras. (Foto: Natália Olliver)

"Quem veio fazer o estudo não levou em conta o crescimento de Campo Grande. É difícil essa modelagem pensando em 30 anos. A duplicação está prevista para três anos e não vai separar o trafego de longa distância e o local. Nos estudos, quebramos isso e vimos que não atende para os próximos 30 anos. A gente não tem margem para errar com a BR-163. Queremos um estudo mais realista", disse Ricardo Haddad.

A audiência pode ser assistida na íntegra, clicando aqui.

Nos siga no Google Notícias