ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

“Conhecer antes de atacar”, diz senadora sobre culpa do agro na crise climática

Tereza Cristina (PP) esteve nos EUA falando sobre o setor e votou projeto sobre o tema nesta semana

Por Caroline Maldonado | 17/05/2024 14:06
Senadora Tereza Cristina (PP) em entrevista na sede do jornal Campo Grande News. (Foto: Marcos Maluf)
Senadora Tereza Cristina (PP) em entrevista na sede do jornal Campo Grande News. (Foto: Marcos Maluf)

Com o Brasil sob os holofotes dos debates sobre mudanças climáticas reavivados em função das inundações que devastaram o Rio Grande do Sul, a senadora sul-mato-grossense Tereza Cristina (PP) esteve na terça-feira (14) em Nova Iorque, nos Estados Unidos, em evento que reuniu empresários norte-americanos e brasileiros para falar sobre o agronegócio e sua relação com a sustentabilidade.

Na manhã desta sexta-feira (15), em entrevista exclusiva ao Campo Grande News, Tereza revelou sua indignação com os “ataques” ao setor agropecuário, que classifica “injustiçado”, e falou sobre o Projeto de Lei 4.129/2021, aprovado na quarta-feira (15), que traz regras gerais para adaptação à mudança do clima.

A senadora explicou que as diretrizes que estão sendo elaboradas com o projeto de lei vão nortear planos de adaptação às mudanças climáticas para reduzir a vulnerabilidade e a exposição a riscos. Isso vai exigir que as prefeituras e governos do País trabalhem em conjunto na elaboração de estratégias de desenvolvimento local.

O projeto leva em conta a atenção à diversidade dos biomas nas várias regiões do Brasil para conseguir uma integração entre os governantes municipais, estaduais e federal para obter avanço nesse tema.

“Temos que usar cada vez mais a ciência e acho que isso vai trazer a discussão e essa regulamentação vai acabar sendo discutida e sair do papel”, disse.

Tereza cita como exemplo o próprio Rio Grande do Sul, que tem regiões bem distintas, o Pampa, que é diferente da região dos vales e da grande Porto Alegre, na beira do Rio Guaíba. Da mesma forma o MS, que tem o Pantanal, a maior planície alagável do mundo e em outro extremo, a região Leste, aproveitada para florestas de eucalipto.

“Nós não podemos mais ficar com políticas macro, temos que descer para que cada um diga o que fazer e os municípios têm o que eu acho que é o elo mais fraco, porque nem sempre tem gente especializada, tem que estar muito ligado com o Estado. No nosso caso aqui, o Imasul tem que ser o norteador desses municípios para que isso funcione”, comentou a senadora, referindo-se ao Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul.

Para a senadora, muitas pessoas que criticam o agro falam sobre assuntos que não conhecem, o que prejudica a imagem do País no mundo e não colabora com o debate. No EUA, ela buscou convidar os empresários e quem tem críticas a conhecer a realidade.

“Minha fala foi em torno desse agro que as pessoas precisam conhecer antes de atacar. Tem problemas, têm, mas a grande maioria do agro é responsável hoje por uma coisa que é injustiçado, na verdade, nos ataques que ele tem internamente e quando a gente ataca aqui, reflete lá fora e isso é muito ruim porque é um setor que traz segurança alimentar, segurança ambiental para o País e social. Então, acho que as pessoas precisam vir aqui conhecer e depois se tiver críticas, fazê-las conhecendo o que realmente o setor entrega para sociedade brasileira e para o mundo”, argumentou Tereza.

As discussões que colocam o agro como vilão no meio ambiente também são alimentadas  pela “ignorância aproveitada por ONGs internacionais de concorrentes do agro brasileiro”, na avaliação da senadora.

“Nós fizemos uma CPI das ONGs e vimos de onde vem o dinheiro para atacar principalmente o agro. O que me deixa perplexa é que tem uma parte deste governo que ataca o agro de maneira insana até, porque ataca e não pode ser por ignorância, é por ideologia, que também, na minha opinião, está fazendo um grande mal para o nosso País”, reclama.

Nos siga no Google Notícias