ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  18    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

Conselho quer aval para vacinar crianças a partir de 3 anos em MS

Cosems entregou pedido nas mãos do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que defendeu somente o PNI

Por Gabriela Couto | 19/07/2021 11:46
Imunização do público adulto, com mais de 18 anos, é prioridade no PNI (Plano Nacional de Imunização) (Foto Marcos Maluf)
Imunização do público adulto, com mais de 18 anos, é prioridade no PNI (Plano Nacional de Imunização) (Foto Marcos Maluf)

O Cosems (Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Mato Grosso do Sul) pediu ao Ministério da Saúde autorização para vacinar crianças de 3 a 17 anos, mas a solicitação segue sem resposta. No entanto, o documento entregue nas mãos do ministro Marcelo Queiroga, na última sexta-feira (16) não é de conhecimento da SES (Secretaria de Estado de Saúde).

Conforme o pedido do presidente do Cosems, Rogério Leite, a inclusão desse grupo no Plano Nacional de Imunização, seria fator importante no retorno às aulas presenciais, previstas para o dia 02 de agosto.

“Mato Grosso do Sul está com quase 75% da sua população vacinada, solicitamos ao ministro a possibilidade de fazer aplicação da Coronavac e Pfizer para crianças a partir de 3 anos conforme estudo de eficácia para que possamos fazer uma volta as aulas com mais tranquilidade para todas as famílias sul-mato-grossenses”, justificou Leite.

No entanto, o ministro foi bem claro sobre a importância de seguir o PNI e de não criar grupos paralelos de vacinação nos municípios. As decisões sobre imunização devem seguir o acordo tripartíde, entre União, Estado e Municípios. Na visita a Campo Grande, Queiroga afirmou que a próxima discussão do PNI será incluir adolescentes com comorbidades no grupo de vacinação.

"Não é necessário que todos os professores estejam vacinados para o retorno às aulas. Unicef, UNESCO e Oms já se manifestaram a cerca desse ponto de vista. Daqui a pouco o professor vai dizer 'só vou quando todos alunos tiverem vacinados', aí depois 'só vou quando o pai de aluno tiver vacinados'. A consequência disso é 2 anos os alunos fora da escola", argumentou.

O secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, também reforçou que o momento é priorizar a imunização completa da população adulta de Mato Grosso do Sul. "Isso [vacinar crianças e adolescentes] está longe de acontecer. Precisamos primeiro vacinar a população adulta, dos 18 anos ou mais. Terá o momento que vai definir esse grupo de adolescentes e depois chegar aos 3 anos. Não temos indicação, não é obrigatório e não existe a orientação no mundo de vacinar estudantes para retorno das aulas."

Prosseguir - O Governo de Mato Grosso do Sul estuda imunizar adolescentes, antes da conclusão da imunização dos adultos, assim que todos os maiores de 18 estiverem vacinados com a primeira dose de imunizante contra a covid-19.

Na reunião do Prosseguir (Programa de Saúde e Segurança na Economia), prevista para a tarde desta segunda-feira (19), será discutida a abertura da vacinação para o público de 12 a 17 anos.

Previstas para serem retomadas em 2 de agosto, aulas presenciais da rede estadual de ensino poderão contar com mais uma garantia de biossegurança aos pais e responsáveis, visto que profissionais de educação já estão praticamente todos imunizados.

Atualmente, segundo dados do painel Mais Saúde, há cerca de 4,7 mil adolescentes, de 12 anos ou mais, vacinados com a 1ª dose da Pfizer, único imunizante que pode ser utilizado nessa faixa etária, em Mato Grosso do Sul. Esse grupo teve aval do Ministério da Saúde para que fosse vacinado, mediante comprovação de que tivesse alguma das comorbidades listadas pela pasta.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário