ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 27º

Cidades

Embaixada acompanha caso de agressão a canadense em MS

Casal denunciou agressão de seguranças de fazenda; 10 entidades cobram punição

Por Lucia Morel | 25/11/2023 11:39
O jornalista canadense Renaud Philippe e a cineasta e antropóloga Ana Carolina Mira Porto. (Foto: Ruy Sposati/Cimi)
O jornalista canadense Renaud Philippe e a cineasta e antropóloga Ana Carolina Mira Porto. (Foto: Ruy Sposati/Cimi)

O ataque a equipe jornalística canadense em Mato Grosso do Sul nesta semana está sendo alvo de repúdio por 10 organizações nacionais, que cobram punição aos autores, ainda não identificados.  O grupo formado pelo jornalista canadense, Renaud Philippe, 39 anos, pela antropóloga Ana Carolina Mira Porto, 38, e pelo engenheiro florestal Renato Farac Galata, 41 foi atacado por pistoleiros na noite de terça-feira (21), próximo a área de retomada da Fazenda Maringá, em Iguatemi, a 466 km de Campo Grande.

As Defensorias Públicas da União (DPU) e de Mato Grosso do Sul (DPE-MS) acompanham o caso, que passou a ser investigado pela Polícia Federal, já que o fato ocorreu em contexto de disputa de terras envolvendo comunidades indígenas e em razão desse conflito. O trio realizava a captação de imagens para um documento sobre as comunidades indígenas.

A Embaixada do Canadá no Brasil foi procurada pela Agência Brasil e informou que já foi comunicada de que um cidadão canadense foi agredido em Mato Grosso do Sul. “Funcionários consulares no Brasil estão em contato com os indivíduos e prestam assistência consular. Devido a considerações de privacidade, nenhuma informação adicional pôde ser fornecida.”

Em nota conjunta divulgada ontem, dez entidades nacionais afirmam que as ocorrências são graves e evidenciam “a violência a que os povos indígenas vêm sendo submetidos em Mato Grosso do Sul”.

Segundo a Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), horas antes de Ana, Philippe e Galata serem agredidos pelo grupo de desconhecidos, dois indígenas, moradores da área que os guarani kaiowás chamam de Terra Indígena Pyelito Kue/Mbaraka´y, em Iguatemi, foram considerados desaparecidos. A dupla foi posteriormente encontrada ferida, mas, por segurança, as entidades indígenas não divulgaram seus nomes.

Além da Apib, assinam a nota divulgada nessa sexta-feira as associações Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e Brasileira de Antropologia (ABA); Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul; Conselho Indigenista Missionário (Cimi); Comissão Pastoral da Terra (CPT Nacional); Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM); Campanha Contra a Violência no Campo; Observatório Nacional de Justiça Socioambiental Luciano Mendes de Almeida (Olma) e as comunidades guarani kaiowá por meio da Aty Guasu.

“As entidades que assinam esta nota manifestam solidariedade aos profissionais que foram covardemente agredidos e reafirmam o compromisso com a defesa dos direitos dos povos indígenas”, afirmam as organizações. (Com Agência Brasil)

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias