ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 14º

Cidades

Na Capital, Adélio Bispo recusa tratamento psiquiátrico em presídio

Interno do Presídio Federal de Campo Grande, Adélio evita remédios e contato com outros presos

Gabriela Couto | 02/09/2023 09:27
Acusado de facada em Bolsonaro, Adélio Batista deu depoimento na Penitenciária Federal de Mato Grosso do Sul (Foto: Reprodução)
Acusado de facada em Bolsonaro, Adélio Batista deu depoimento na Penitenciária Federal de Mato Grosso do Sul (Foto: Reprodução)

A primeira visita de um familiar a Adélio Bispo de Oliveira, o autor da facada no ex-presidente Jair Messias Bolsonaro (PL), ocorreu apenas em março deste ano. Desde o crime ocorrido há cinco anos, ele segue preso na Penitenciária Federal de Campo Grande e recusa tratamento psiquiátrico.

Vivendo em uma cela de 6m², de onde só pode sair para um banho de sol diário de 2h, o preso não recebe visitas, evita sair do local de cárcere e pouco fala com os demais presos. Sem avanço na saúde mental, a DPU (Defensoria Pública da União) tem travado uma batalha judicial para mudar a situação de Adélio, embora a Justiça continue alegando que ele seja perigoso demais para sociedade e corre risco de vida fora do sistema federal.

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, para tentar reavaliar o quadro psicológico, um psiquiatra experiente do sistema prisional do Estado tem acompanhado o interno mais de perto. A ideia é tentar convencê-lo a iniciar o uso de medicação e transferi-lo para um hospital psiquiátrico.

O preso continua tendo transtorno delirante persistente, conforme o último laudo psiquiátrico. Os profissionais atestaram a manutenção da periculosidade de Adélio por falta de assistência médica adequada, mas defenderam que se o interno for medicado terá evolução na condição mental.

Imagem de Adélio Batista, que recusa tratamento psiquiátrico e começou a receber visita de um novo médico especializado (Foto: Reprodução)
Imagem de Adélio Batista, que recusa tratamento psiquiátrico e começou a receber visita de um novo médico especializado (Foto: Reprodução)

A definição foi fundamental para a Justiça renovar a permanência do autor do crime no presídio até 2024. Os especialistas defendem um ambiente hospitalar para a adesão do tratamento, sem descartar inclusive o tratamento compulsório.

No entanto, os hospitais judiciários de Minas Gerais, onde o caso é julgado, relataram superlotação e filas de espera. A justificativa nega o acolhimento de Adélio para terras mineiras. Os responsáveis também têm receio de receber alguém conhecido nacionalmente pelo crime que cometeu e que pode ser alvo fácil de represália.

Vale acrescentar ainda que o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) determinou a desativação gradual dos hospitais de custódia e tratamento psiquiátrico no Brasil. A meta é encaminhar internos com problemas mentais para o atendimento do SUS (Sistema Único de Saúde).

Com o acompanhamento de um novo profissional de saúde mental, a defesa de Adélio está otimista para que ele aceite o tratamento e que assim que possível os remédios façam efeito. Só assim poderão pedir uma transferência.

A ideia é antecipar a próxima perícia, que está prevista somente para agosto de 2024. No entanto, o preso continua alegando que os medicamentos causam efeitos colaterais e são desnecessários.

Profissionais relataram que quando Adélio aparenta estar lúcido, diz que quer voltar à liberdade, morar novamente em Minas Gerais, perto da família. Mas não indica arrependimento de ter dado a facada em Bolsonaro. Na maioria do tempo, ele tem delírios recorrentes, com manias de perseguição e falas desconexas sobre política, religião e maçonaria.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias