ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 27º

Cidades

Após 26 anos em queda, mortalidade infantil volta a aumentar em MS

No Estado, os dados registrados em 2016 voltaram a ser os mesmos registrados em 2014, representando um aumento de 6,61%

Geisy Garnes | 18/07/2018 13:10

Mato Grosso do Sul repete o quadro nacional: teve aumento no índice de mortalidade infantil, depois de 26 anos em queda, resultado atribuído por quem lida com o assunto à epidemia de vírus da zika e à crise econômica nos últimos anos, que provocou empobrecimento das famílias e piora nas condições de vida. Os dados referentes ao ano de 2016 mostram que os problemas também se refletiram em Mato Grosso do Sul, que sofreu um aumento de 6,61% em relação ao ano anterior.

O Estado, segundo os dados disponíveis, regrediu ao patamar de 2014, depois de sucessivas melhoras no índice desde 1990. Segundo a superintendente Geral de Atenção à Saúde da SES (Secretaria Estadual de Saúde), Mariana Croda, Mato Grosso do Sul vinha apresentando uma redução acima da média nacional, cerca de 5% a cada ano.

“Esse indicador é importante porque quando a gente vai ver as principais causas de mortalidade nessa faixa etária ela inclui doenças que são preveníveis. A diarreia que é prevenível com saneamento básico, as doenças imunopreveníveis, que são aquelas que a gente pode prevenir através de vacinas, além de outras como a desnutrição infantil, e aquelas relacionadas aos cuidados durante o pré-natal”.

Em 2015, o Estado registrou 12,1 mortes de crianças a cada mil nascimentos, mas em 2016 o número subiu para 12,9, uma alta de 6,61%. Segundo a superintendente, o principal fator para isso foi a epidemia do vírus da zika, que causou a morte de bebês com má formação antes do 1 ano de vida.

Após 26 anos em queda, mortalidade infantil volta a aumentar em MS

“Dentro desses determinantes sociais a gente tem outros fatores, e está se atribuindo isso também ao aumento da pobreza, porque a gente não teve melhoria nas condições de vida, teve aumento do desemprego e da taxa de pobreza e isso piora no cuidado com a saúde dessas famílias”, explicou.

A taxa nacional de mortalidade em 2016 ficou em 14 óbitos infantis a cada mil nascimentos,  5% sobre o ano anterior. 

“Quando você tem uma queda muito intensa espera que ela estabilize e mantenha quedas pequenas ao longo dos anos, mas o que essa pesquisa mostrou é que além de ela não cair, teve aí um acréscimo e muda o perfil”, afirma a superintendente. Para os especialistas a tendência é de que os dados de 2017 também se mantenham “estáveis”, ou seja, acima do registrado em 2015.

Para que o aumento da taxa volte a estabilizar, a superintendente defende um maior investimento na saúde básica e programas para família. “Ainda falta uma cobertura adequada dos programas de saúde da família, o ideal era que a gente tivesse 100% de cobertura, hoje em Campo Grande não passa de 40%. A gente precisa desse fortalecimento, e isso entra no financiamento do SUS (Serviço Único de Saúde) e para isso precisamos de uma maior verba”.

Ainda conforme Croda, falar em mortalidade infantil remete a uma linha de cuidado com a criança. "A gente precisa que esse paciente seja inserido em programas de saúde da família, que tenha acompanhamento de peso feito pelos agente comunitário de saúde, que o pré-natal dessa mãe seja feito adequadamente. Precisamos do fortalecimento de campanhas como a de amamentação, que impacta muito no primeiro ano de vida. Também o que a gente viu, que é muito preocupante, é a cobertura vacinal nas faixas referidas ao primeiro ano de vida. Por isso é necessário o fortalecimento da atenção básica, que não está sendo feito de forma adequada e por isso a gente não consegue por exemplo a cobertura vacinal dessas crianças”.

Nos siga no Google Notícias