A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

01/03/2016 10:43

Atraso em repasse gera falta de vacinas na rede pública de saúde

Na Capital, vacinação é só em casos de urgência e emergência; previsão é de reposição gradativa dos estoques neste mês

Fernanda Yafusso
Reposição dos estoques de vacinas na rede pública de saúde serão realizadas gradativamente (Foto Fernando Antunes)Reposição dos estoques de vacinas na rede pública de saúde serão realizadas gradativamente (Foto Fernando Antunes)
Na UBS da Coronel Antonino uma das vacinas que está em falta é para Hepatite B (Foto Fernando Antunes)Na UBS da Coronel Antonino uma das vacinas que está em falta é para Hepatite B (Foto Fernando Antunes)
A vacinação na rede pública de saúde é realizada apenas em casos de urgência e emergência (Foto Fernando Antunes)A vacinação na rede pública de saúde é realizada apenas em casos de urgência e emergência (Foto Fernando Antunes)

Há pelo menos um mês, cinco das 21 vacinas disponibilizadas na rede pública de saúde estão em falta em Mato Grosso do Sul. O problema, segundo o secretário estadual de Saúde, Nelson Tavares, está em questões referentes à importação dos medicamentos pelo Ministério da Saúde. 

Estão em falta as vacinas na rede estadual de saúde a Pentavalente (vacina que protege contra Difteria, Tétano, Coqueluche, Meningite), Hepatite A, Hepatite B, DTPa Adulto e DTPa Infantil. Em Campo Grande, por exemplo, há falta das medicações contra a Raiva, Hepatite A e B, e DTPa (vacina contra difteria, tétano e coqueluche). 

Uma paciente de 29 anos, que pediu para não ser identificada, denunciou ao Campo Grande News que precisou tomar a segunda dose da vacina de Hepatite B, na unidade básica de saúde do bairro Coronel Antonino, mas não conseguiu. 

Ao apurar a situação, a reportagem descobriu que o problema, antes local, tinha afetado todo o Estado. O atraso no repasse afetou o calendário de vacinação nos municípios de Mato Grosso do Sul e, segundo o secretário estadual de Saúde, Nelson Tavares, os estoques serão normalizados até o mês de março. A reposição deverá ser feita de forma gradativa nos municípios.

Em nota, a assessoria do Ministério da Saúde informou que algumas das vacinas que estavam indisponíveis no mercado já estão com a distribuição regularizada no SUS (Sistema Único de Saúde). "Com relação à vacina Hepatite B, neste mês de fevereiro foi autorizado o envio de 40,6 mil doses para o estado de Mato Grosso do Sul. Já quanto à vacina dT, que protege contra difteria e tétano, o envio para o estado foi de 39,4 mil doses", explica a fonte oficial.

O secretário de Saúde de Campo Grande, Ivandro Fonseca, explica que foi encaminhado comunicado no mês passado, ao Ministério Público Federal informando a falta de estoque das vacinas na rede pública de saúde. Segundo ele, a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) estava aguardando uma resposta sobre a reposição.

Além disso, a vacinação nas unidades de saúde do município estão sendo realizadas, por enquanto, apenas em casos de urgência e emergência.

Atualmente, são disponibilizadas pela rede pública de saúde de todo o país cerca de 400 milhões de doses de imunobiológicos por ano para combater mais de 20 doenças. São ofertadas gratuitamente no SUS (Sistema Único de Saúde) 17 tipos de vacinas recomendadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde), beneficiando todas as faixas etárias, de acordo com o Ministério da Saúde.  



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions