A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

05/11/2012 16:40

"Foi legítima defesa", diz assassino de idoso que tentou proteger neta

Gabriel Neris e Helton Verão
Paulo Cássio Esmeralda de Almeida foi apresentado na 4ª Delegacia de Polícia (Fotos: Minamar Júnior)Paulo Cássio Esmeralda de Almeida foi apresentado na 4ª Delegacia de Polícia (Fotos: Minamar Júnior)

Paulo Cássio Esmeralda de Almeida, de 34 anos, assassino confesso de Jaime Rodrigues da Costa, 70 anos, disse que esfaqueou a vítima 14 vezes na noite do dia 29 de outubro em legítima defesa. Paulo foi apresentado na tarde de hoje (5) na 4ª DP (Delegacia de Polícia), no bairro das Moreninhas, em Campo Grande.

O idoso foi morto depois de evitar que a neta de 16 anos fosse estuprada. O crime aconteceu no bairro Itamaracá, por volta das 22h, do dia 29. Paulo dizia a todo o momento que falaria somente em juízo. Questionado sobre o ferimento em uma das mãos, ele afirmou que se machucou durante a luta corporal contra o idoso. “Estava me defendendo”, disse.

O rapaz é funcionário de uma serralheria, é separado e tem uma filha de um ano e dois meses.

A versão que ele apresentou a Polícia é a de que sua ex-convivente estaria fazendo ameaças. Quando se deparou com o idoso se aproximando, acreditou que se tratava de alguém que o quisesse matar a mando dela.

A Polícia descarta a versão do autor.

Homem diz que ação foi em legítima defesaHomem diz que ação foi em legítima defesa

Vizinhos de Paulo Cássio contaram que o rapaz passou o dia do homicídio afiando a faca utilizada no crime. Paulo tem passagens por roubo, violência doméstica, homicídio e tinha conseguido alvará de soltura há 20 dias.

Paulo responderá por homicídio qualificado e importunação ofensiva ao pudor.

O delegado Devair Aparecido Francisco comentou a maneira que o acusado se portou durante a investigação. “Chamou a atenção a frieza dele durante o depoimento. Não demonstrou nenhum tipo de arrependimento”.

Segundo o delegado, Paulo deve ser encaminhado para o Petran (Presídio de Trânsito).



É esse Brasil de hoje não ta fácil mesmo... Acho que deveria ter cadeira eletrica para umas pessoas dessas.. E nem assim acho que resolveria o caos que o Brasil ta enfrentando relacionado à cumprimento de leis... Um homem desse tem que virar mulherzinha dentro da cadeia pra ver se aprende ou se não mofar atras de um xilindró.
 
Jenifer Lopes em 06/11/2012 08:28:09
Que a justiça seja feita! Que pague pelo crime que cometeu, cadeia nele!!!!!
 
Cristiane Lima em 06/11/2012 07:11:28
ELE VAi SER SOLTO, E NO PROXIMO CRIME VAI SER CONTADO MAIS UM CRIME NA ESTATISTICA.
 
JOSEMAR ALVES VIEIRA em 06/11/2012 06:54:55
muito bem , Vitor Peruquinha , pelo visto vc. sabe das coisas. então põe em pratica. o cara abaixo, só fez o comentario d ele. pô.

 
ANTONIO RODRIGUES em 05/11/2012 22:50:20
Vitor respeito também sua opinião, mas não acho que o Francisco esteja errado. primeiro, ele está dando uma opinião dele, de como ele quer uma justiça mais dura com os estupadores. Eu concordo com ele, pois acho que as leis devem mudar. Segundo, as pessoas que interpretam as leis, nem sempre a fazem de maneira correta, podendo ter dupla interpretação e até errarem na sua interpretação. Terceiro, saber como funciona o sistema e cobrar de orgãos errados é afirmar que a justiça não deve ser cobrada. Igual seria não cobrar dos médicos os problemas da saúde, como se o problema da saúde fosse só dos prefeitos e secretarios. Se os que trabalham com a justiça não devem ser cobrados então quem fará propostas para mudar as leis? Acho que cada segmento da sociedade tem papel importante neste país.
 
João de Araújo em 05/11/2012 22:21:02
Caro Vitor, vais encontrar no seio jurídico, juristas que acham a lei boa, e o problema estaria na aplicação.
O que ocorre é que os juristas, caso discordassem da lei existente, fosse qual fosse o motivo, já poderiam ter sugerido mudanças através de projetos.
Tem um do código Penal que tá travado em algum lugar que não sai por conta do preciosismo e dos erros existentes na elaboração, tamanho é o cuidado com eles mesmos.
O que acontece é que a miscelânia jurídica foi construída para evitar abusos cometidos durante a ditadura, porém, hoje, quem se aproveita das leis ditadas pelos parlamentares, são as pessoas de pior estirpe.
E os mesmo juristas não se mexem, os políticos não se mexem, e as leis continuam boas como estão ...
 
Adriano Magalhães em 05/11/2012 19:11:38
Respeito sua opinião, Francisco dos Santos. Mas quem solta não é a justiça, e sim as leis criadas e aprovadas pelo legislativo, ou seja, políticos que você elegeu.
A justiça apenas lê, interpreta e cumpre o que está escrito nas leis. A justiça não tem o poder de prender ou soltar alguém, apenas de fazer cumprir a lei.
Enquanto as pessoas não souberem como funciona o sistema e continuarem cobrando dos órgãos errados, o Brasil não vai pra frente.
 
Vitor Peluchno em 05/11/2012 18:10:27
ESSE TIPO DE GENTE, A JUSTIÇA JAMAIS PODERIA TER SOLTADO NA RUA, TODOS ELES SABEM QUE ISSO É UMA DOENÇA INCURAVEL, ESTRUPADOR DEVERIA TER PRISAO PERPETUA OU IR DIRETO PARA O PAREDAO DA MORTE
 
FRANCISCO DOS SANTOS em 05/11/2012 17:20:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions