ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SÁBADO  08    CAMPO GRANDE 19º

Capital

Campo Grande reserva mais R$ 7,2 milhões para equipar leitos da covid-19

Processo estima aquisição de respiradores, bombas de infusão e até relógios de parede

Por Jones Mário | 14/07/2020 12:00
Maca usada no transporte de paciente é higienizada no pátio do Hospital Regional (Foto: Marcos Maluf)
Maca usada no transporte de paciente é higienizada no pátio do Hospital Regional (Foto: Marcos Maluf)

A prefeitura de Campo Grande abriu nova licitação nesta terça-feira (14), desta vez para comprar materiais e equipamentos permanentes de enfrentamento à pandemia de novo coronavírus. A compra está estimada em R$ 7,2 milhões.

Entre os itens licitados estão 15 respiradores portáteis, no valor de R$ 120,4 mil cada, além de 520 bombas de infusão (para dieta enteral), avaliadas em R$ 8,2 mil cada. Os dois são usados em UTIs (Unidades de Terapia Intensiva)

O município vai adquirir também até 15 cufômetros (monitores de pressão), outro material próprio para tratamento de casos graves.

O processo de compra ainda prevê 15 refrigeradores de pelo menos 250 litros, e também 15 relógios analógicos de parede.

Para justificar a licitação, a prefeitura usou os mesmos argumentos do pregão eletrônico aberto ontem (13), que estima aquisição de 180 respiradores - a escalada de casos de covid-19 em Campo Grande e o deficit de 153 leitos de UTI na macrorregião atendida pela Capital.

Com mais 196 casos confirmados hoje pela SES (Secretaria Estadual de Saúde), Campo Grande chegou a 4.836 ocorrências de covid-19. A doença matou 43 pessoas na cidade.

Dengue - Com outro edital de licitação inaugurado nesta terça (14), o município quer comprar 36 macas, 72 mesas de exame clínico, 108 escadas de 2 degraus, 266 poltronas reclináveis, 388 suportes de soro e 42 termômetros digitais infravermelho. O investimento previsto é de R$ 554,5 mil.

A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) quer equipar UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), CRSs (Centros Regionais de Saúde), Clínicas da Família, UBSs (Unidades Básicas de Saúe) e USFs (Unidades de Saúde da Família) em virtude da epidemia de dengue e da circulação de outras arboviroses, como chikungunya e zika.

Segundo o Serviço de Vigilância Epidemiológica da Sesau, o município registrou 15.996 notificações de dengue e 7 mortes de janeiro a junho deste ano.

Os casos de zika e chikungunya somaram, respectivamente, 102 e 82 no mesmo período.

As duas licitações são na modalidade pregão eletrônico. O município não tem obrigação de comprar todas as quantidades licitadas.