ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, SEXTA  03    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Capital começa reabrir em “doses homeopáticas” e com regras, diz prefeito

Com “regras muito difíceis de cumprir” e que serão fiscalizada com rigor, prefeito teve de ceder e liberar lotéricas e igrejas

Por Anahi Zurutuza | 26/03/2020 20:14
Paróquia Perpétuo Socorro, que vivia lotada antes da chegada do coronavírus no Brasil (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)
Paróquia Perpétuo Socorro, que vivia lotada antes da chegada do coronavírus no Brasil (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)

Com regras definidas por ele mesmo como "muito difíceis de cumprir”, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) autorizou a volta de algumas atividades em Campo Grande. Ele disse que logo haverá mais liberações “em doses homeopáticas” se houver evidência de que o avanço do novo coronavírus foi "freado".  Amanhã deve se reunir, por exemplo, com representantes de empresas de ônibus e dos shoppings, ainda paralisados.

Por enquanto, a partir dessa sexta-feira (27), lotéricas poderão reabrir e igrejas, receber fiéis em apenas 2 missas e cultos por dias, com higienização completa,inclusive de bancos, antes e depois das celebrações. No caso das lotéricas, a higienização deverá ocorrer a cada 2 horas.

Já os restaurantes terão de restringir o atendimento a 30% da lotação o que já havia feito muitos fecharem. Na construção civil, a abertura será gradativa a partir de segunda, para canteiros de obras de até 20 operários.

Na queda de braço com o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), que anunciou ontem e publicou hoje decreto que incluiu as casas lotéricas e os templos religiosos como prestadores de serviços essenciais, Marquinhos, contra a própria vontade, teve de ceder. “A determinação daquele que é maior que nós, vai ser cumprida”.

Numa estratégia para dificultar, contudo, a reabertura de espaços que aglomeram clientes e frequentadores ou por onde circula muita gente, tudo o que contraria recomendações da OMS (Organização Mundial de Saúde) em plena pandemia do novo coronavírus, Marquinhos criou regras “impossíveis” que, segundo ele de serem cumpridas e que serão fiscalizadas com rigor. Quem descumprir, terá de fechar por atentar contra a saúde e sofrerá consequência administrativas que chegam até a cassação do alvará de funcionamento.

Veja algumas medidas para a reabertura:

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade


Artes: Thiago Mendes
Artes: Thiago Mendes
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Pequenas obras - Também nesta quinta, Marquinhos anunciou novos decretos, para o setor de construção civil, que terá uma reabertura escalonada, primeiro para canteiros de até 20 operários.

As exigência para os empregadores em ambos os setors é que mantenham no local de trabalho, lavatórios com água e sabão disponíveis aos trabalhadores, bem como de álcool em 70%, com uso obrigatório no início das atividades e a cada duas horas reforçar as medidas de segurança.

A distância de 1,5 metro entre dois metros entre os trabalhadores da construção civil também está entre as regras. Para os canteiros de obras, ainda é exigido uso de EPIs (equipamentos de proteção individual) destinados ao combate ao novo coronavírus, como máscaras e luvas.

Todas as ferramentas, máquinas e equipamentos de uso manual devem ser constantemente limpos e higienizados, antes e durante a execução dos trabalhos.

Cartórios – Fechados desde segunda-feira (23), reabriram ontem e também foram considerados pelo governo federal como de prestadores de serviços essenciais.

Para funcionar, cartórios não poderão escalar mais que 20 funcionários e devem mantê-los a dois metros de distância uns dos outros. Devem ainda disponibilizar os equipamentos de proteção individual, organizar filas que mantenham os clientes em distância segura e ter meios para que as pessoas que aguardam atendimento se higienizem corretamente, informou o prefeito.

Fechado – O comércio da região central permanece fechado. O transporte coletivo também não volta a circular. Escolas permaneces sem funcionar.

Segundo o chefe do Executivo municipal, mais flexibilizações depende da evolução da curva de contágio. “Shopping? Vai continuar fechado. Transporte público continua como está. Vamos liberar homeopaticamente, no conta gotas, desde que não aumentem as estatísticas de casos aqui”.