ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  19    CAMPO GRANDE 17º

Capital

Sobrado onde mulher foi estuprada abriga pelo menos 12 "sem-teto"

Casa está entre bens de inventário e foi "cedida" pelo dono para pessoas em situação de rua, segundo vizinha

Por Bruna Marques e Ana Beatriz Rodrigues | 25/02/2024 11:19
Sobrado onde grávida foi estuprada abriga pelo menos 12 pessoas em situação de rua (Foto: Paulo Francis)
Sobrado onde grávida foi estuprada abriga pelo menos 12 pessoas em situação de rua (Foto: Paulo Francis)

Sobrado localizado na Rua Professor Severino Ramos de Queiroz, onde grávida de 36 anos foi estuprada, na madrugada de sábado (24), abriga pelo menos 12 pessoas sem-teto. A casa está em processo de inventário e foi cedida pelo proprietário para que moradores em situação de rua possam viver, segundo uma vizinha imóvel.

Ana Cristina Candelário Mendes, 49 anos, diz ser a responsável por cuidar do sobrado e explica que a maioria das pessoas que moram ali, vieram de fora do Estado e muitos deles, são usuários de droga e fazem uso constante de álcool. “O dono é de Cuiabá, ele vem só as vezes olhar como está. Ele deixou as pessoas morarem aqui, mas com a condição de que seria mantido limpo e não pode ter confusão, para não chamar a atenção da polícia”, explicou.

Morando há quatro anos ao lado do sobrado, ela disse que o imóvel funciona como “moradia temporária” e apesar do grande movimento de pessoas no local, todo mundo que frequenta é “bem tranquilo”.

Questionada sobre a mulher grávida que foi estuprada, a mulher contou que soube da história através dos outros moradores do imóvel, mas que ouviu barulho de gente pulando o muro, por volta das 3h de sábado. “Não ouvi grito e pedido de socorro. Os outros meninos que moram aí me contaram que quando eles acordaram de manhã, a menina estava pelada. Saiu e perguntou onde ficava o Centro”, relatou.

Ana Cristina disse ainda que, tempos depois, a vítima retornou ao local, mas que estava dentro da viatura da Polícia Militar. “Não sei se foi na delegacia ou se pediu ajuda para a polícia na rua”, disse.

A moradora ainda expôs que o homem de 29 anos, suspeito pelo crime, veio de São Paulo e que morava no local a menos de uma semana. “O outro que está envolvido só conhecem pelo nome de Robert. Não morava na casa e falaram que ele não veio com o homem e a mulher”, afirmou.

Para concluir, Ana Cristina falou que no sábado, uma equipe da Deam (Delegacia de Atendimento à Mulher), esteve no local.

Estupro – A vítima que conforme boletim de ocorrência, vive em situação de rua, foi estuprada e ameaçada por dois homens armados com canivete, na noite de sexta-feira (23), na região central de Campo Grande. O caso só foi registrado neste sábado, após a vítima conseguir fugir da casa para onde foi levada pelos suspeitos.

Conforme relatado pela vítima, na noite de sexta-feira, por volta das 20h, ela estava em frente a Praça Ary Coelho, no Centro da Capital, momento em que foi abordada por dois homens, armados com canivete, que anunciariam um assalto e pegaram seu celular. Sob ameaça, a mulher foi levada para o imóvel na Severino de Queiroz e no local, passou a ser estuprada pelos suspeitos.

Segundo a mulher, quando chegaram na casa, os suspeitos a mandaram pular o muro. A vítima revelou que estava grávida e não ia conseguir, o suspeito insistiu dizendo “pula se não te furo”. Dentro da residência, o homem mandou que ela deitasse e abrisse as pernas.

Apavorada, a moça pediu para que ele não a machucasse e que usasse preservativo. O homem concordou e passou a ter relação sexual com a mulher. Na sequência, ele chamou seu comparsa, que sem usar camisinha também passou a estuprá-la.

A vítima dormiu e só no sábado de manhã, em um momento de distração do suspeito, conseguiu correr e pedir ajuda na rua. Ela estava pelada e foi socorrida por uma mulher que acionou a Polícia Militar.

Uma equipe da polícia foi até a casa onde o crime ocorreu e encontrou um dos suspeitos, 29 anos, no local. Questionado sobre os fatos, o homem disse que encontrou a vítima na rua e que ela pediu para dormir em sua casa. No local passaram a beber e que ela a chamou para fazer sexo e que a relação foi consentida.

Os dois foram encaminhados até a Deam (Delegacia de Atendimento à Mulher). O segundo suspeito não foi localizado até o momento.

A vítima está grávida de 2 meses. Ela foi socorrida até o UPA (Unidade de Pronto Atendimento Comunitário) Vila Almeida, com arranhões no peito e braço. Além disso, reclamava de dores nas partes íntimas.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias