A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

16/08/2012 19:17

Chuva, mau tempo e ventania podem gerar "oscilações" na energia elétrica

Paula Maciulevicius e Luciana Brazil

A chuva no início da manhã de hoje trouxe à tona um problema que arrepia a gerente Maura Perez, 55 anos. Logo quando abria o expediente da loja de empadas, a oscilada que ela define como ‘básica’ a deixou preocupada.“Não chegou a cair a luz, mas pensei vai acabar”, disse.

A concessionária de energia em Mato Grosso do Sul, Enersul, explica que aquilo que nós chamamos de oscilações, são na verdade intervalos de proteção. Essas “oscilações” acontecem porque o sistema de proteção é ativado para evitar curtos circuitos e prejuízos maiores. O sistema desliga automaticamente.

“Sem luz a gente não é nada. Depende do forno ligado, do freezer. Não pode ficar sem”.

A Enersul explica que as oscilações aparecem nos dias de chuva, ventania e mau tempo porque os galhos de árvores encostam nos fios, além de outras coisas que ventam na fiação.

Isso leva a comerciante Maura a pensar que não é mera coincidência. “Eu acho que é pela chuva, ventania, não sei se bate o fio. Isso já aconteceu outras vezes”, fala.

O superintendente do Procon e membro do Conselho de Consumidores da Enersul, Alexandre Resende, fala que nesta quinta-feira (16) a chuva não foi tão forte a ponto de trazer prejuízos, mas o mau tempo, raios, trovões e descargas elétricas podem gerar intervalos de proteção.

“O ideal seria que não tivesse, mas a gente sabe que é difícil acontecer isso”, disse Resende. O superintendente esclarece que a empresa de energia é obrigada a restituir os danos e prejuízos materiais causados pelas oscilações e queda de energia.

Segundo a Enersul, hoje não houve registros ou reclamações sobre as “oscilações”. A empresa informou ainda que no Estado o total de 13 horas é a soma de todo o tempo que o cliente chega a ficar sem luz durante o ano, porém em Campo Grande não chega a 50% desse valor.

Homem é ferido a tiro em saída de pagode no Bairro Taquarussu
Giovani Rodrigues Barbosa, 22 anos, foi baleado no tórax na saída de um pagode, na madrugada deste domingo (18), na Avenida Presidente Ernesto Geisel...
Problema rotineiro, chuva causa alagamentos no bairro Cidade Morena
A chuva que atingiu Campo Grande no fim da tarde deste domingo (17) causou vários problemas à população, desde alagamentos a problemas estruturais em...


O problema é que eles pagam mas pedem muita documentação que muita vezes nao tenho, e o tempo de ficar indo la tendo que gastar com o passe de onibus e chega la faam que ta faltado papel. deveriam simplifcar mais.
 
thiago souza em 16/08/2012 08:31:12
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions