A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

05/01/2015 08:00

Colégio Harmonia conquista o 1º lugar no ranking estadual do Enem

Informe Publicitário
Escola bilíngue é ocupa a primeira posição no Exame Nacional do Ensino Médio duas vezes consecutivas. (Foto:Divulgação)Escola bilíngue é ocupa a primeira posição no Exame Nacional do Ensino Médio duas vezes consecutivas. (Foto:Divulgação)

Desde a fundação, em 1993, o Instituto de Educação Harmonia se tornou referência em ensino de qualidade em Campo Grande e, no último ENEM com resultado divulgado pelo MEC, ficou em primeiro lugar na classificação geral em Mato Grosso do Sul. Em 2012, a escola, que é bilíngue, ficou em primeiro lugar em Campo Grande.
Para o diretor da escola, Daniel Martins, a fórmula desse sucesso tem como base um corpo docente capacitado, alunos empenhados em uma boa formação acadêmica e um sólido suporte emocional aos estudantes, além de uma infraestrutura de qualidade. Daniel se orgulha de ver as conquistas dos alunos. “Não focamos apenas no ENEM e nos vestibulares. Em nosso ensino médio, os estudantes também podem ter aulas de teatro, trabalham com temas transversais, como consumo de drogas lícitas e ilícitas e questões sociais, dentre várias outras atividades”, explica o diretor.
No segundo ano do Ensino Médio, os jovens refletem sobre seus interesses profissionais. Nesse período, eles fazem pesquisas relacionada às profissões que almejam ou que possuem dúvidas e realizam testes vocacionais. Com base nisso, a escola organiza estágios de observação, em que passam um período do dia com profissionais das áreas de interesse.
Ele diz que o trabalho desenvolvido no último ano do Ensino Médio é baseado no perfil dos alunos. “Trabalhamos de acordo com os interesses do grupo. Isso é possível devido ao tamanho da escola, que permite um acompanhamento individual das necessidades e pretensões de cada estudante”, ressalta.
Daniel acredita que o Construtivismo, método de ensino adotado pela escola na educação infantil e no ensino fundamental, tem importante parcela de contribuição para que os estudantes possam ingressar nas universidades de renome que querem, como USP, FGV, IBMEC, UNB e UFMS. "No Construtivismo, o educador não coloca o saber pronto. O estudante aprende por meio das interações sociais, de conteúdos contextualizados e de operações que permitem a reflexão sobre o que se está estudando", ressalta.

Para garantir a qualidade do método aplicado e a atualização dos professores, o Harmonia mantém um convênio com a Escola da Vila, em São Paulo, a mais importante instituição do país em formação de profissionais construtivistas.

Quando chega no ensino médio, há a oportunidade de escolher entre ter apenas o currículo brasileiro ou, somado a esse, o currículo oficial americano. Isso é possível graças a um convênio firmado com a Texas Tech University. Nesse caso, o estudante também terá aulas com professores nativos de língua inglesa, que aplicarão o conteúdo, dando ao aluno a oportunidade de elevar o inglês a um nível acadêmico. "Esse currículo é importante para todos, não apenas para aqueles que querem cursar os ensino superior nos Estados Unidos, mas sim desfrutar de uma grade curricular rica, e ver matérias que não temos no ensino brasileiro, como Economia, Oratória, Política, Literatura e Redação em inglês", diz Daniel.

Essa experiência foi vivida por Alan de Marco Barbosa, 17, ex-aluno do Harmonia. O jovem foi aprovado em 50 faculdades de Medicina no Brasil e optou por fazer Biologia na USP (Universidade de São Paulo), uma das melhores do país. Graças ao conteúdo aprendido na escola, ele prestou o SAT e, de 240 questões, acertou 234, recebendo o convite de cinco faculdades americanas para estudar lá com bolsa. Alan recusou todos para continuar os estudos no Brasil.

Para Alan, a organização adotada no Harmonia e o preparo dos professores foi fundamental para suas conquistas, além de ser determinante para que o colégio ficasse em primeiro lugar no ranking do ENEM. O jovem ingressou no colégio com nove anos, pelo fato de a escola ser bilíngue e ele, junto com a família, estarem voltando de uma temporada morando nos EUA. “Hoje sei que fiz a escolha certa, pois não encontrei dificuldades em meu primeiro ano na USP. Meus professores elogiaram o ensino que tive no Harmonia, uma vez que muitos estudantes vindos de escolas tradicionais de São Paulo não conseguem o mesmo desempenho. Sei que a base que tive no Harmonia contribuiu muito para isso”, diz.

Diretor do Harmonia, Daniel Martins atribui a conquista a capacitação dos professores, aos alunos dedicados e infraestrutura da escola. (Foto:Alcides Neto)Diretor do Harmonia, Daniel Martins atribui a conquista a capacitação dos professores, aos alunos dedicados e infraestrutura da escola. (Foto:Alcides Neto)
O estudante Alan de Marco atribui sua aprovação na USP (Universidade de São Paulo) a metodologia de ensino adotada no Harmonia. (Foto:Alcides Neto)  O estudante Alan de Marco atribui sua aprovação na USP (Universidade de São Paulo) a metodologia de ensino adotada no Harmonia. (Foto:Alcides Neto)
Guarda oferece palestra sobre prevenção e combate às drogas em Uneis
Jovens da Unei (Unidades Educacional de Internação) Dom Bosco e da Unidade de Internação Feminina Estrela do Amanhã, em Campo Grande, receberam pales...
Cadastramento biométrico é oferecido pela Carreta da Justiça em Anhanduí
Desde o início desta semana a Carreta da Justiça está realizando atendimentos da biometria no distrito de Anhanduí, no município de Campo Grande, gra...


Parabéns ao colégio Harmonia, todas as escolas particulares deveriam ser assim, uma vez que paga-se caro por educação no Brasil. Pagamos pesados impostos e como a educação pública não funciona (sem estrutura e professores mal remunerados) temos que pagar, novamente, e muito, para nossos filhos estudarem em escolas particulares.

Que tal federalizar o ensino fundamental e médio? Porque pagar altos salários a professores de universidades estaduais e federais quando o professor do ensino público médio e fundamental "passa fome"?

Quem estuda em universidades públicas gratuitas? Os alunos de escolas particulares, pois os menos afortunados que vem de escolas públicas se quiser cursar ensino superior tem que trabalhar o dia inteiro para pagar altas mensalidades em universidades particulares.
 
jukahballa em 05/01/2015 08:37:32
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions