A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Setembro de 2017

09/09/2017 09:32

Com 240 na fila, MS não tem hospital credenciado a cirurgia de fissura labial

Hospital São Julião está apto, mas Ministério da Saúde ainda não liberou habilitação

Mirian Machado
Hospital São Julião é referencia em cirurgias não urgentes (Foto: Marina Pacheco)Hospital São Julião é referencia em cirurgias não urgentes (Foto: Marina Pacheco)

Há uma fila de espera de 240 pacientes para fazer cirurgia de fissura labial em Mato Grosso do Sul, porém no Estado não há hospitais credenciados para fazer o procedimento pelo SUS (Sistema Único de Saúde). O hospital São Julião é referência em cirurgias de não urgência e tenta há cinco anos conseguir a habilitação para esse procedimento no Ministério da Saúde.

Segundo o administrador do estabelecimento, Amilton Fernandes Alvarenga, para o credenciamento foi feita uma série de exigências e todas já foram cumpridas. "Eles já vieram aqui e fizeram auditoria e viram que o hospital tem tudo para fazer a cirurgia, nós temos equipamentos, temos equipe. Agora falta Brasília liberar", disse o administrador.

Um dos problemas dessa enorme fila de espera é que como Mato Grosso do Sul não tem como fazer a cirurgia, os pacientes são encaminhados para o Hospital de Reabilitação de Anomalias Crânio-Faciais da Universidade de São Paulo, mas desde março deste ano o hospital suspendeu o atendimento a pacientes de outros estados. Com isso a fila de espera só tem aumentado.

Administrador diz que hospital está pronto para cirurgias de fissura labial (Foto: Marina Pacheco)Administrador diz que hospital está pronto para cirurgias de fissura labial (Foto: Marina Pacheco)
Documento informando que hospital de Bauru não atenderá mais pacientes de outros estados (Foto: Marina Pacheco)Documento informando que hospital de Bauru não atenderá mais pacientes de outros estados (Foto: Marina Pacheco)

Ainda segundo Amilton, três reuniões já foram feitas com a Secretaria de Estado de Saúde e com a Funcraf (Fundação para o Estudo e Tratamento das Deformidades Crânio - Faciais). "Não aceitamos que uma pessoa daqui [MS] pegue um ônibus para ir a Bauru sendo que nós podemos fazer [cirurgia]. Nós estamos em condições de começar a qualquer hora", afirmou.

"Aqui nós faremos o tratamento cirúrgico e a Funcraf continua o acompanhamento. É bem mais fácil a pessoa não precisa sair daqui e vai facilitar o retorno do paciente também", informou. São 30 tipos de cirurgias que são credenciadas, como por exemplo, a retirada de enxerto.

A cirurgia de fissura labial deve ser feita pela primeira vez aos três meses de idade e a criança vai fazendo o procedimento até os 17 anos, porém há muitas crianças que já perderam a primeira cirurgia pelo tempo que estão esperando. Segundo Amilton, atualmente há 50 crianças de três meses esperando a 1º cirurgia.

Uma equipe de vários médicos fazem parte como plástico, buco-maxilo, ortopedista, otorrinolaringologista entre outros.

Em contrapartida deve haver uma revisão no valor que é repassado pelo SUS. "Nós vamos conversar com a Prefeitura e com o Governo do Estado para complementar, porque há procedimento que o SUS paga R$ 50. Por exemplo a retirada de enxerto, o SUS paga R$ 57,61 com dois ortopedistas, anestesista, sala, enfermeiro. Alguém vai ter que complementar, não é nada absurdo, mas vai ter que complementar pra gente fazer", explicou.

Antes da cirurgia de fissura labial (Foto: Marina Pacheco)Antes da cirurgia de fissura labial (Foto: Marina Pacheco)
Após cirurgia feita em bebê (Foto: Marina Pacheco)Após cirurgia feita em bebê (Foto: Marina Pacheco)

O administrador ainda diz que os valores são inviáveis, como por exemplo, a cirurgia no lábio o SUS paga R$ 1.093, o médico vai fazer por R$ 800. Então se ficar esse valor, vai sobrar R$ 200 reais para o hospital pagar o anestesista, a sala entre outras coisas.

"Mas esse não é o problema hoje. O problema é a burocracia, porque já cerca de 60 dias que já foi enviado pra Brasília todos os documentos, já daria tempo de voltar. É só fazer a portaria, porque já foi aprovado já temos o parecer positivo daqui" afirmou. "Se nós fizermos 30 cirurgias desses por mês em 10 meses nós zeramos essa fila. Tem gente esperando há anos", concluiu.

O Campo Grande News tentou contato com o Ministério da Saúde para saber como está o andamento do credenciamento do Hospital São Julião, mas até o fechamento da matéria não tivemos retorno.

Embriagado, condutor fura interdição no Parque dos Poderes e é preso
O condutor Pedro João Torres, 57 anos, foi preso na tarde deste sábado depois de furar a interdição de ruas para lazer, no Parque dos Poderes, em Cam...
Mulher simula furto para enganar o marido e acaba autuada por crime
Uma mulher de 21 anos, moradora no Bairro Nova Lima, em Campo Grande, foi autuada por falsa comunicação de crime neste sábado (23). Ela mentiu que ha...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions