ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  13    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Com 60 mil pessoas, manifestação superou números do ano passado

Nyelder Rodrigues, Viviane Oliveira e Antonio Marques | 13/03/2016 19:35
Levantamento da PM aponta que 60 mil pessoas participaram da manifestação (Foto: Marcos Ermínio)
Levantamento da PM aponta que 60 mil pessoas participaram da manifestação (Foto: Marcos Ermínio)

A manifestação pedindo a saída de Dilma Rousseff (PT) da presidência da República e repudiando a corrupção no Brasil reuniu nesse domingo (13) cerca de 60 mil pessoas em Campo Grande, segundo o tenente-coronel da PM (Polícia Militar) Renato Tolentino, um dos comandantes da segurança do ato. O número supera o do protesto de março de 2015, quando menos de 40 mil pessoas participaram do ato.

O protesto de hoje foi pacífico e nenhum incidente violento foi registrado. Vestidos nas cores verde e amarelo, os manifestantes tomaram cerca de 14 quadras da avenidas Afonso Pena, que foi fechada durante à tarde para que o ato fosse realizado.

Quem organizou o evento foi o Movimento Reaja Brasil, que agrega vários outros grupos com atuação no mesmo sentido e que afirmam não ter ligação com partidos políticos.

A concentração dos manifestantes ocorreu na Praça do Rádio Clube, com direito a trio elétrico - que guiou os manifestantes pela Afonso Pena - e participação da bateria da escola de samba Igrejinha. Um grupo de motociclistas abriu o protesto.

Cerca de 300 motociclistas puxaram manifestação pela avenida Afonso Pena (Foto: Marcos Ermínio)
Cerca de 300 motociclistas puxaram manifestação pela avenida Afonso Pena (Foto: Marcos Ermínio)
Manifestante se vestiu de palhaço para protestar contra o governo Dilma (Foto: Alan Nantes)
Manifestante se vestiu de palhaço para protestar contra o governo Dilma (Foto: Alan Nantes)

"Foi uma coesão de forças que se ajudaram nessa campanha para chamar o povo às ruas. Fizemos anúncios da TV, outdoor, todos deram sua parcela", avalia a advogada Soraya Thronicke, uma das líderes do movimento.

"Esperamos que esse apelo popular pressione os parlamentares a se decidirem sobre os ritos do impeachment. O PMDB mesmo ia esperar até hoje para tomar a decisão se sairia ou não da base governista".

Soraya também avalia que, além do trabalho de divulgação, o trabalho dos parlamentares de oposição ao governo petista ajudou na mobilização de manifestantes em todo o país.

"O povo passou o recado. Somos independentes de partido e por isso dialogamos com todos parlamentares da oposição", explicou Soraya sobre o Reaja, que é mantido pelas entidades que a integram.

As duas vias da avenida Afonso Pena foram ocupadas até que os manifestantes chegassem em frente ao cruzamento com a rua Dr. Paulo Coelho Machado, onde o trio elétrico parou e vários discursos pedindo o impeachment da presidente Dilma e o fim da corrupção no país foram realizados para os presentes.

Fora Dilma - Uma das manifestantes que pedia a queda de Dilma do governo e acompanhou o protesto foi a instrumentadora cirúrgica Cristiane Braga, de 41 anos. "Acredito que o Lula vai ser preso e a Dilma vai cair, será retirada pelo povo que não vai arredar o pé e vai cobrar essa mudança", dispara Cristiane.

Ela também opina que "o Congresso é o câncer do Brasil" e que, caso Dilma saia do poder e dê lugar ao vice, Michel Temer (PMDB), apesar dele também estar implicado nas investigações de corrupção, "o povo vai cobrá-lo e fazer valer toda indignação do povo".

Já o comerciante Sérgio Pereira, de 53 anos, ressaltou que, a partir do momento que o ex-presidente Lula foi conduzido coercitivamente para depor à Polícia Federal, a situação econômica começou a melhorar. "Admito que o primeiro mandato dele foi bom, porém do segundo em diante ele bagunçou o país. Depois, ele colocou a Dilma lá e piorou mais ainda. Os dois são os cabeças".

Nos siga no Google Notícias