A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

09/11/2012 13:57

Com filho doente, mãe faz peregrinação por postos de saúde

Mariana Lopes
No colo de Tatiana, o pequeno André ainda sente o reflexo na febre forte (Foto: Simão Nogueira)No colo de Tatiana, o pequeno André ainda sente o reflexo na febre forte (Foto: Simão Nogueira)

Desde a noite do último domingo (4), a dona de casa Tatiane Seles da Silva, 28 anos, começou uma peregrinação por postos de saúde de Campo Grande em busca de atendimento para o filho caçula, de 2 anos, que estava com febre de 39 graus.

Ela conta que primeiro foi ao posto de saúde da Coophavila, que é o mais próximo da casa dela, onde o pediatra que atendeu o pequeno André receitou paracetamol, soro fisiológico e colírio para amenizar a irritação que o menino estava no olho, segundo a mãe por causa da febre.

“Perguntei para o médico o que ele iria receitar para a gripe, e fui orientada a dar mel com limão ao meu filho”, conta Tatiana. Segundo a mãe, o pediatra também disse que se em 72 horas ele não melhorasse, era para voltar. “Ele atendeu meu filho em 5 minutos, não examinou direito e fez pouco caso da febre alta”, reclama a dona de casa.

Na quarta-feira (7), como a febre não baixou, Tatiana retornou com o filho ao médico. Primeiro ela foi no posto de saúde do Tarumã, mas não conseguiu atendimento. “Me disseram que o médico de lá só atendia um número determinado de pacientes e não era possível fazer um encaixe, mesmo eu estando com meu filho no colo queimando de febre e chorando”, enfatiza Tatiana.

Diante da situação, a mãe não teve para aonde correr e, mesmo contrariada e receosa por causa do atendimento anterior, Tatiana retornou com o filho para o posto de saúde do Coophavila.

“Graças a Deus era outro médico que estava no plantão”, diz. Na consulta do dia 7, o pediatra examinou André e disse que ele estava com princípio de pneumonia, infecção na garganta e nos ouvidos, o que justificava a febre de quase 40 graus.

Desta vez, o pediatra receitou uma medicação mais forte e orientou a mãe a fazer inalação, pois o filho dela estava ainda com a bronquite atacada.

Em casa com o menino, ela afirma que hoje o filho está bem, mas a insegurança de depender da saúde pública não passou. “E se eu precisar de um serviço de emergência? Será que vou ficar com meu filho no colo de novo, sendo tratada de qualquer jeito, com descaso?”, questiona Tatiana.

Terminal rodoviário de Campo Grande oferece cartões de Natal gratuitos
A rodoviária de Campo Grande, mais um ano, oferece gratuitamente cartões de Natal gratuitamente para os passageiros que passarem pelo local até o pró...
Universidade do MS recebe certificação de excelência em gestão
Será recebida pela UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) em solenidade que acontece na próxima segunda-feira (18) o certificado de excelência em ges...
Águas Guariroba continua com campanha de renegociação de dívidas
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...
Prefeitura e TJ prorrogam renegociação de dívidas ajuizadas até 3ª
O programa de refinanciamento de dívidas da Prefeitura de Campo Grande foi prorrogado até o dia 19 de dezembro, a próxima terça-feira, no Centro de C...


Isso não foi diferente comigo minha filha acordo reclamando de dor na testa, eu imediatamente levei na unidade basica das moreninhas, como, ela ja teve sinusite falei p/ medico, que mando eu descarta essa posibilidade, que provavelmente poderia ser dengue,não. Convencida levei minha filha ao pediatra dela, que confimo a sinusite.
 
sandra pereira em 09/11/2012 16:58:31
Outro dia no mesmo hospital da Criança levei meu filho e o médico falou que ele estava com bronquite eu não acreditei e ele disse pra eu procurar a pediatra "oficial" do meu filho. Procurei e descobri que ele estava com sinusite
 
Helen Rangel em 09/11/2012 14:33:32
A negligência médicanão esta apenas nos postos de saúde (nestes lugares é maior) mas há algum tempo levei meu filho ao hospital da criança com reação a uma bactéria (estava cheio de bolinhas vermelhas pelo corpo) e sem nenhum exame o médico passouy injeção para alergia e antialérgico para meu filho. No outro dia ele amanheceu bem pior. No posto do Vila Almeida após exames descobrimos que a bactéria que havia atacado o ouvido dele havia se tornado resistentes aos medicamento e se espalhado pelo corpo... Se fosse morrer, morria..E não aconteceria nada com o médico
 
Helen Rangel em 09/11/2012 14:29:36
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions