ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Com lixão fechado, catadores migram para aterro de entulhos da prefeitura

Luana Rodrigues | 19/09/2016 15:04
Além da falta de controle sobre o que é jogado no local, que tem montanhas de lixo, na área há trabalhadores sem qualquer tipo de proteção ou fiscalização, incluindo mão de obra infantil. (Foto: Fernando Antunes)
Além da falta de controle sobre o que é jogado no local, que tem montanhas de lixo, na área há trabalhadores sem qualquer tipo de proteção ou fiscalização, incluindo mão de obra infantil. (Foto: Fernando Antunes)
Marcel Anderson, 26 anos, um dos catadores na área, em seu "laboratório" de desmanche. (Foto: Fernando Antunes)
Marcel Anderson, 26 anos, um dos catadores na área, em seu "laboratório" de desmanche. (Foto: Fernando Antunes)

Dezenas de pessoas trabalhando em meio a lixo e entulho, entre elas, crianças. O cenário, que até fevereiro deste era comum no chamado 'lixão' de Campo Grande, na BR–262, próximo ao bairro Dom Antônio Barbosa, hoje pode ser vista na área da Prefeitura onde é permitida a destinação de entulho, no anel viário da BR-163, entre as saídas para Três Lagoas e Cuiabá.

O problema é que no local não há apenas restos de tijolo, concreto, argamassa, aço e madeira. Tem também plástico, eletrônicos e restos de mobília, entre outros. “Aqui tem de tudo, desde comida até o cobre que a gente tira de ventilador, liquidificador e etc. O que nunca encontrei foi lixo de hospital, mas não acho difícil”, conta Marcel Anderson, 26 anos, um dos catadores na área.

Além da falta de controle sobre o que é jogado no local, que tem montanhas de lixo, na área há trabalhadores sem qualquer tipo de proteção ou fiscalização, incluindo mão de obra infantil.

Segundo os próprios trabalhadores, a maioria dos catadores que ali trabalham vieram da Cidade de Deus, favela desmantelada em fevereiro deste ano, graças a uma decisão da Justiça.

Marcel é um exemplo. Há cinco meses ele morava na Cidade de Deus, quando a favela estava terminando de ser desocupada, procurou outro espaço para construir um barraco e morar com a família, já que não conseguiu um espaço por meio da Prefeitura. A melhor opção que encontrou foi no bairro Noroeste, na região do aterro da Prefeitura.

Com o trabalho na área, ele diz que sustenta a esposa e mais cinco crianças do lixo reciclável que tira do local. Consegue lucrar, em média, R$ 300 por dia com o “laboratório” (uma espécie de tenda) que montou no meio do aterro, mas concorda com o fato de que corre riscos.

“Aqui eu separo o lixo, ganho meu dinheirinho suado, mas sei que é perigoso. Esses dias mesmo, um guri tentou subir num caminhão, caiu e quebrou a perna, mas ai eu acho que é responsabilidade dele que foi subir no caminhão, mesmo sendo proibido”, disse.

Célio Alves, 25 anos, é outro catador do local. O caso dele é diferente, não veio da Cidade de Deus, mas ele conta que acompanhou a migração de muito catadores e com isso, viu a concorrência aumentar. “Tem muito mais gente, mas não vejo problema, aqui tem lixo pra todo mundo”, considera.

O Campo Grande News foi até o local e tentou falar com um responsável, mas a equipe foi impedida de fazer fotos, falar com outros catadores e acabou expulsa da área sob o argumento de que há autorização para o que está ocorrendo por lá.

Já a assessoria de imprensa da Prefeitura disse que irá enviar uma resposta à tarde.

Favela nova – Do lado das montanhas de lixo, barracos vão sendo montados. Alguns já estão no local há anos, segundo moradores, no entanto, outros foram construídos recentemente, com a migração de catadores da Cidade de Deus. “Tem muita gente vindo para cá. Eu acho ruim porque acaba ficando perigoso”, disse uma moradora que preferiu não se identificar. 

A área, que já reúne cerca de 60 barracos, não é regularizada pela Prefeitura.

Lixão fechado – Fechado no fim de 2012, após 28 anos em operação, o lixão foi reaberto por força de decisão judicial em janeiro de 2013. O pedido partiu da Defensoria Pública, que alegou que as pessoas ficaram sem fonte de renda. Com a reabertura, foi definida uma área de transição, com descarte dos resíduos ante de ser encaminhado ao aterro.

No dia 26 de fevereiro, Com ordem judicial e apoio da PM (Polícia Militar) e Guarda Municipal, a área de transição do lixão de Campo Grande foi fechada.

Os catadores de materiais recicláveis chegaram a se aglomerar em frente ao aterro, no anel viário da BR-262, bairro Dom Antônio Barbosa, mas desistiram após a chegada do efetivo policial.

E é em meio ao vai e vem de caminhões carregados com caçambas de lixo/entulhos que trabalham as crianças. (Foto: Fernando Antunes)
E é em meio ao vai e vem de caminhões carregados com caçambas de lixo/entulhos que trabalham as crianças. (Foto: Fernando Antunes)
Nos siga no Google Notícias