A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

31/01/2014 16:36

Conselho pune médica por repassar dados de paciente para ex-marido

Kleber Clajus
Punição por violação de sigilo foi publicada em jornal de grande circulação (Foto: Divulgação)Punição por violação de sigilo foi publicada em jornal de grande circulação (Foto: Divulgação)

A psiquiatra Cilene Denise de Lima Garcia foi punida publicamente, na quinta-feira (30), por quebrar o sigilo médico de uma paciente que enfrentava processo de separação. Com os dados, o ex-marido conseguiu o acordo judicial e a profissional sofreu censura pública com nota sobre o caso publicada em jornais de grande circulação em Campo Grande e São Paulo (SP).

De acordo com assessoria do CRM/MS (Conselho Regional de Medicina), Cilene Denise já havia transferido seu registro profissional para o Estado de São Paulo, inclusive quando o fato ocorreu. Por isso, a publicação também foi realizada pelo CRM/SP.

Para o presidente do CRM/MS, Alberto Cubel Brull, a punição é pesada e está prevista na Lei Federal nº 3268/57.

“Infelizmente temos esse tipo de caso. Ao todo são cinco as punições aplicáveis, que incluem advertência confidencial, censura confidencial ou pública, suspensão do exercício profissional por 30 dias e cassação confirmada também pelo CFM (Conselho Federal de Medicina). Em sua maioria as duas primeiras são mais aplicadas”, explica Alberto.

A médica foi procurada pelo Campo Grande News, mas não retornou às ligações. 

No ano passado foram instauradas 194 sindicâncias pelo CRM/MS, aumento de 20% em relação a 2012, quando se registrou 161 casos.

Por outro lado, o julgamento de processos éticos reduziu 30% no mesmo período, passando de 49 para 34. Os recursos ao CFM também foram menores em 2013, somando 14 ante 22 no ano anterior.



Esta médica com certeza se esqueceu do juramento que fez quando recebeu seu certificado.
A ética e o sigilo, devem ser preservados por todos os bons profissionais, de toda e qualquer profissão.
A punição da médica é justa, cabe até a perda do registro.
O ex-marido da paciente também faltou com a ética, e deve ser punido, por ter tirado proveito das informações repassadas pela médica.
 
VALDIR VILLA NOVA em 01/02/2014 08:27:27
Vendo por outra ótica, a psiquiatra descongestionou o Poder Judiário, ao "colaborar" em um acordo judicial amigável"!!!!
 
LUIZ CARLOS em 31/01/2014 20:58:44
Mas que bela profissional hein doutora? Merecia perder a CRM.
 
MAXIMILIANO NAHAS em 31/01/2014 16:44:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions