ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  19    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Construção de 1.138 moradias populares na Capital começa em um mês

Projetos do Minha Casa, Minha Vida ficam nos bairros Aero Rancho, Portal das Laranjeiras, Sírio Libanês e Jardim Inápolis

Por Humberto Marques | 14/02/2018 12:58
Área no Inápolis vai receber 66 unidades habitacionais. (Foto: Divulgação)
Área no Inápolis vai receber 66 unidades habitacionais. (Foto: Divulgação)

Começa em 30 dias a construção das mais de mil habitações viabilizadas pelo governo do Estado em Campo Grande, em parceria com os governos federal e da Capital. Ao todo, 1.138 casas e apartamentos integrantes do programa minha Casa, Minha Vida serão entregues para famílias que possuem renda mensal de até R$ 1,8 mil, conforme informações da administração estadual.

“Conseguimos essas moradias através de uma parceria entre o governo do Estado, a Prefeitura de Campo Grande, o Ministério das Cidades e a Caixa Econômica Federal. Vamos atender as mais de mil famílias com casas e apartamentos que terão toda a infraestrutura: piso cerâmico, reboco, laje e com todo padrão qualidade”, afirma a diretora-presidente da Agehab (Agência Estadual de Habitação Popular), Maria do Carmo Avesani Lopez.

As empresas que assinaram contrato para a construção têm 30 dias para organizar os canteiros de obras e iniciar os empreendimentos. As moradias serão construídas em áreas no residencial Portal Laranjeiras (na região do Tarumã, no sul de Campo Grande); Sírio Libanês I e II (oeste); Jardim Aero Rancho (sul) e Jardim Inápolis (próximo ao Indubrasil, no oeste).

Nas últimas duas semanas, a Prefeitura de Campo Grande realizou a remoção amigável de uma ONG em uma área do Aero Rancho, próxima à avenida Graciliano Ramos, e de um casal no Portal das Laranjeiras, para o início dos empreendimentos. No primeiro terreno serão construídos 448 apartamentos, enquanto 368 moradias ficarão na outra propriedade.

FAR – Também serão construídas 256 habitações no Sírio Libanês e 66 no Inápolis. Ao todo, serão investidos R$ 109 milhões em todos os projetos. A administração estadual entrará com contrapartida de R$ 19 milhões. A Caixa será o agente financeiro do empreendimento, que terá recursos do FAR (Fundo de Arrendamento Residencial).

“Reivindiquei [no Ministério das Cidades] a inclusão da nossa Capital e de Mato Grosso do Sul na seleção de novas moradias para diminuirmos o deficit habitacional. Agora, não tenho dúvidas de que fomos contemplados com projetos de qualidade, para que nossa população seja beneficiada com moradias dignas”, declarou, via assessoria, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB).