ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Construído para ser "grande", parque continua abandonado na Capital

Zana Zaidan | 16/09/2013 18:00
Sem manutenção, parque tem áreas de risco e vive no escuro
Sem manutenção, parque tem áreas de risco e vive no escuro

Construído há três anos, o Parque Cônsul Assaf Trad, na saída para Cuiabá, em Campo Grande, está abandonado pela prefeitura e, sem iluminação, banheiro ou instalações adequadas, o espaço, que foi projetado para ter estrutura semelhante a de outros parques urbanos da Capital, com trilhas, pistas de caminhadas e playground, continua fechado para a população.

O parque foi construído pelo grupo Alphaville, como compensação ambiental pela construção do condomínio que fica ao lado e leva o mesmo nome. São mais de 2 mil metros quadrados de área, que conta com três lagos e uma quadra de vôlei improvisada, visivelmente sem uso. Posteriormente, o espaço foi doado pela prefeitura, que passou a ser responsável pela manutenção do local.

Atualmente, o parque abriga o “Projeto Florestinha”, da Polícia Militar Ambiental, que oferece atividades para crianças carentes da região no período vespertino. Mas, quem coordena a iniciativa considera que, se houvesse iluminação, as atividades oferecidas para as crianças poderiam ser estendidas para a noite. “Poderíamos estender para o final da tarde. A população também poderia usufruir da pista de caminhada, como acontece no Sóter ou no parque das Nações”, defende a sargento Ariane Zanirato.

Outro problema do abandono é o ambiente inseguro. A segurança do parque é feita por um guarda municipal em toda a extensão, com uma moto cedida pela PM. “As pessoas invadiam o parque, principalmente para tomar banho escondido no lago, o que é um risco muito grande, porque é muito escuro e a profundidade do lago é de mais de 5 metros. Com a ronda, o problema deu uma amenizada, mas ainda falta estrutura”, acredita um dos guardas municipais responsáveis pelo local, Altamir Oliveira Luiz.

Segundo Luiz, o destino do parque é incerto. “Não sabemos como vai ficar. Se vão só plantar árvores e fazer uma trilha de árvores, colocar mais postes de luz ou, se um dia, a prefeitura vai fazer mudanças por aqui”, afirma.

“É uma pena, porque mal temos um banheiro para oferecer para as crianças. Aqui era uma erosão gigantesca, a Alphaville construiu o parque para resolver o dano ambiental, mas essa questão também precisa ser estudada melhor pela prefeitura”, reforça outra sargento da PMA, Eveny.

A reportagem entrou em contato com a Prefeitura para obter informações sobre a manutenção do Parque e, até o fechamento desta reportagem, não obteve retorno.

Nos siga no Google Notícias