ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, QUARTA  08    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Corpo de PM morto chega à Capital e cortejo reúne centenas de policiais

Por Vinícius Squinelo e Graziela Rezende | 16/11/2013 20:04
Corpo de Luiz é recebido com honras (foto: Marden Barbosa)
Corpo de Luiz é recebido com honras (foto: Marden Barbosa)

O corpo do policial militar sul-mato-grossense Luiz Pedro de Souza dos Santos, 33 anos, chegou há poucos minutos no Aeroporto Internacional de Campo Grande. O cortejo de Luiz já é acompanhado por centenas de policiais.

O corpo chegou em um avião do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso, e veio de Rondonópolis (MT). Ele foi encaminhado para o hangar do Estado no Aeroporto, e já deve seguir para a cerimônia fúnebre, que será realizada na Pax Real do Brasil, na Avenida Bandeirantes, em Campo Grande.

Centenas de policiais, inclusive da choque e do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais), já se reúnem no aeroporto e vão acompanhar o cortejo.

Até o Corpo de Bombeiros regional enviou uma viatura para acompanhar, como forma de homenagear Luiz, e também caso alguém não se sinta bem.

Familiares também estão no aeroporto, e o clima é de muita emoção no local.

O policial foi morto em um confronto armado entre a Força Nacional e invasores de terras em Rondônia no último dia 14.

O sepultamento está previsto para ser realizado na manhã deste domingo (17), no cemitério Memorial Park.

Confronto – Luiz Pedro, que possuía nove anos de atuação na Polícia, foi alvejado com um tiro na altura do ombro. Ele morreu no distrito de Rio Pardo, em Rondônia. De acordo com o coronel Enedi, da Polícia Militar de Rondônia, a morte ocorreu durante um confronto entre os policiais da Força Nacional e 300 moradores da região.

O policial chegou a ser socorrido pelos colegas da Força Nacional, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos. Ao todo, 146 homens da Força Nacional participavam da operação que tem objetivo de dar início a desocupação da Floresta Nacional de Bom Sucesso. A estimativa do Ministério do Meio Ambiente é que cerca de 200 pessoas ocupem ilegalmente a área.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário