A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

22/12/2010 09:58

Droga e dinheiro estavam no trem de pouso do avião doado aos bombeiros

Ricardo Campos Jr.

Após apreensão, processo de doação definitiva segue normalmente

Avião está no Aeroporto Internacional. (Divulgação)Avião está no Aeroporto Internacional. (Divulgação)

Os 650 mil dólares e os 100 gramas de maconha encontrados ontem em aeronave Baron doada ao Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul estavam escondidos dentro do compartimento do trem de pouso. O material foi achado durante uma perícia feita pela PF (Polícia Federal) solicitada pela Justiça de São Paulo.

Segundo o comandante do Corpo de Bombeiros, Ociel Ortiz, o processo de doação segue normalmente, apesar do "incidente". “O dinheiro e a droga encontrados estão com a PF e a aeronave continua sob nossa guarda esperando o trâmite do processo, aguardando a doação definitiva”.

Por meio da assessoria de imprensa, a Polícia Federal informou que todo o material apreendido foi lacrado e colocado à disposição da Justiça de Atibaia, interior de São Paulo, onde os aviões foram apreendidos.

Duas aeronaves chegaram a Campo Grande no último dia 3 de setembro, quando o Corpo de Bombeiros tornou-se depositário fiel dos aparelhos. Desde então, mais de 90 dias, de acordo com o comandante, eles permaneceram em uma das unidades da corporação.

Para encontrar os dólares e a droga, os peritos federais "desmontaram praticamente a aeronave", que está no hangar do Governo, no Aeroporto Internacional, diz o comandante.

“A aeronave não estava sendo usada pelos bombeiros. Desde o deslocamento elas estão guardadas. A pretensão é que elas fossem doadas em definitivo. A intenção era usar, no futuro, no serviço operacional”, diz Ociel.

Origem - Os aviões têm capacidade para 4 passageiros, mais o piloto e eram utilizados no tráfico de drogas. A apreensão foi no dia 25 de agosto, quando foram encontrados com 44 quilos de cocaína durante operação no interior de São Paulo.

O avião estava em poder do traficante Mario Sérgio Arias, 53, conhecido como Panelão. Ele é acusado de chefiar esquema que movimentava até uma tonelada de cocaína por mês no Brasil, a maior parte com entrada pelas cidades de Ponta Porã e Corumbá. As drogas iam para São Paulo, Minas e Paraná.

O traficante era apontado como um dos representantes paulistas da facção criminosa Comando Vermelho, que atua no Rio. Ele é considerado um dos maiores criminosos do País.

Marcos Júlio Knorre, 42, piloto de avião, e o genro de Ariase João Marcos Rolim, 38, foram presos três meses depois do traficante no hangar de uma empresa de táxi aéreo, em um condomínio na Vila Eldorado, em Atibaia (SP). Com eles foram encontrados 42 quilos de cocaína.

Foram apreendidas 3 aeronaves ao todo, mas somente 2 foram doadas a MS. De acordo com o comandante dos Bombeiros, a corporação ainda não conta com um grupamento aéreo. Os aviões seriam usados no transporte de vítimas e tropas, observação de incêndio e ações de defesa civil.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions