A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

25/02/2011 10:08

Em julgamento, defesa alega que tese de assassinato por racismo é absurda

Aline dos Santos
Julgamento de Geraldo Lessa acontece hoje no Fórum de Campo Grande. (Foto: João Garrigó)Julgamento de Geraldo Lessa acontece hoje no Fórum de Campo Grande. (Foto: João Garrigó)

Absurda. A palavra foi usada pela defesa de Geraldo Francisco Lessa, levado a júri popular nesta sexta-feira, para classificar a tese de que ele matou Anderson da Silva Faria, de 20 anos, por racismo. O crime aconteceu em 29 de dezembro de 2007, no bairro Parque do Sol, em Campo Grande.

Para o advogado José Roberto Rodrigues da Rosa, o caráter de crime por preconceito racial foi dado pela acusação. O réu, durante interrogatório ao juiz da 2ª Vara do Tribunal do Júri, Aluízio Pereira dos Santos, também nega discriminação racial,alegando que tem mãe negra e um filho negro.

Conforme a denúncia, o crime foi motivado pelo “ressentimento que nutria pela vítima em razão do relacionamento que essa mantinha com sua sobrinha e por se tratar de pessoa negra e pobre”.

Na versão de Geraldo, ele nem sabia quem era o namorado da sobrinha Eunice Zeli Lessa, cuja família ajudava financeiramente. Ele relata que no dia do crime, um sábado, assitia televisão quando foi chamado em casa. Ele era dono de uma padaria.

Geraldo relata que o rapaz o xingou e depois colocou uma das mãos em seu pescoço e a outra na cintura. Segundo ele, o jovem estava armado e o disparo aconteceu durante a luta corporal.

Em seguida, ele fugiu para a casa do sogro, onde, então, recebeu a informação que baleou o sobrinho da namorada. O comerciante conta que suspeitou de assalto.

Questionado pelo juiz por que fugiu, já que seria a vítima da tentativa de roubo, ele respondeu que se assustou com a situação. “Nunca tive arma, sempre fui um homem evangélico”, afirma. Conforme o relato da sobrinha, durante o processo, Geraldo tinha armas e teria prometido, inclusive, lhe presentear com um revólver.

A arma do crime não foi localizada. Preso em 2009, ele obteve habeas corpus. A defesa recorreu ao TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) e ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), mas a decisão de levá-lo a julgamento foi mantida.

Famíla de jovem morto espalhou faixas na entrada do Fórum e pintou cara de preto. (Foto: João Garrigó) Famíla de jovem morto espalhou faixas na entrada do Fórum e pintou cara de preto. (Foto: João Garrigó)

Preconceito - Com vinte faixas e cartazes afixadas na entrada do Fórum e rosto pintados de preto, familiares e amigos, que lotam a sala de julgamento, afirmam que o acusado tinha preconceito racial. “Foi racismo. Ele não gostava de negro. Ele se achava o todo poderoso. A justiça vai ser feita”, afirma, em lágrimas, Cleonice Rocha da Silva, mãe do jovem morto.

Irmão da vítima, Isaías da Silva Faria, de 27 anos, defende que Anderson nunca teve revólver. “Ele era obreiro da igreja. Ele só tinha a palavra de Deus”. Isaías se casou com uma sobrinha do acusado.

O assassinato chocou os moradores, que levaram a indignação para as ruas durante duas passeatas. Anderson morreu 16 dias depois de ser baleado.

Aos jurados – seis homens e uma mulher –o acusado relatou que foi obrigado a vender a padaria, avaliada em R$ 300 mil por R$ 120 mil, devido às ameaças que sofria. A acusação questionou que ele perdeu R$ 200 mil, mas o jovem perdeu a vida.

Acusado de matar por racismo vai a júri dia 25
Julgamento será realizado quatro anos após o crimeAcusado de matar o estudante Anderson da Silva Faria, que tinha apenas 20 anos, o comerciante Gera...
Acusado de matar jovem por racismo é preso em Goiás
Geraldo Francisco Lessa, de 47 anos, acusado de matar o estudante Anderson da Silva Faria, de 20 anos, foi preso em Goiás. O crime aconteceu em dezem...
Moradores prendem suspeito de assaltar mulher com criança no colo
Armado com uma faca, Igor Mateus Lima da Costa, 19 anos, assaltou uma mulher que estava com o filho no colo e acabou preso por moradores. O caso acon...
Homem de 30 anos é esfaqueado e fica em estado grave
Bartolomeu Gomes de Araújo Barbosa, 30 anos, ficou gravemente ferido após ser atingido a golpes de faca no abdômen, na noite de ontem (12), na Rua Bo...


Sou a ex-noiva do Cb do Exército arrastado por 15 km em 2008, nos dias de hj posso dizer que só o que resta são as saudades, e a última notícia que tive foi que o peão Fagner o q arrastou foi condenado, porém não sei se o mesmo está preso. Leonardo estará sempre em nossos corações!!!

Referente ao Caso do Anderson...concordo plenamente que foi racismo, e que o Geraldo tem que pagar pelo o que fez... mesmo que não fosse racismo ele tirou a vida de uma pessoa. O Anderson pelo pouco que eu o conhecia NÃO o vi metido com malandros, nem ao menos drogas.

Da mesma forma que o Geraldo fez o Fagner tbm fez, tirar pessoas amadas de nossas vidas....levando consigo nossos sonhos planejados.

Hj em dia construimos uma família...graças ao nosso bom Deus!!! Desejo q a ex-noiva do Anderson a Eunice, a qual fomos amigas bem proximas, porém agora afastadas pelas obrigações, seja muito feliz com sua nova família, assim como eu com a minha.

Que a justiça seja feita....em todos os casos. Que não fique em puni. E q se a justiça do homem falhar...então esperemos na Justiça Divina. Deus os abençoe!!!
 
Beatriz de Matos em 25/02/2011 11:55:59
Agora o criminoso diz que é evangélico, que não foi racismo, que é um absurdo e por aí vai. Fugitivo da justiça, não quer perder a liberdade, um dos bens mais preciosos que o ser humano possui. Mais grave que tudo isso, tirou a vida de alguém, esse por sua vez, o BEM MAIS PRECIOSO. Com a cara de santinho, todo inocente em si, pensou que o rapaz era um bandido, um criminoso, ladrão. Se faz de vítima e como vítima desapareceu, sumiu, escafedeu-se. Nunca teve arma na vida, afinal, nunca teve a intenção de tirar a vida de alguém. Esse sujeito não passa de um grande COVARDE, isso que ele é. De evangélico não tem nada, mas NADA mesmo. Aliás, precisa muito sim, praticar os preceitos bíblicos, aí quem sabe vai se regenerar. Haverá sim, o dia do JUÍZO FINAL, aí não tem escapatória.
 
jonas bilder em 25/02/2011 10:30:00
nos dias de hoje e impressionate as atitudes primitivas de algumas pessoas,como podemos ver este homem geraldo alem da ipocresia de tentar si esconde atras do envagelho e um mentiroso,pois quem tem DEUS no coraçao nao tem estas atitudes primatas mesquinhas e desumanas,mas o q me choca e q todo assassino bandido desclassificado si torna bonzinho quando a vai a juri e envagelico,hipocresia deve estar na moda,pois o verdadeiro envangelho esta no coraçao bom do homem.
 
maria aparecida viseu portugal em 25/02/2011 05:56:16
É engraçado, o cara dono de padaria em pleno sábado ás 13h, mata uma pessoa no seu local de trabalho,....
O rapaz, não trabalhava, não estudava, foi na padaria e levou um tiro, só porque era negro....
Eu pergunto... O que ele foi fazer lá..?
Pq uma pessoa,que trabalhou a vida toda, tiraria a vida de um ser, só pq ele era negro, sabendo que com essa atitude tudo que veio a construir seria jogado as ruinas....?
Pq uma pessoa considerada rascista teria empregado em seu estabelecimento tantas pessoas com o perfil em discução?

e blá blá blá......
tem muita coisa que nao está se encaixando....
 
mara lenk em 25/02/2011 01:13:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions