ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Empresa de medicamentos desviou 12 milhões do HR

Compras em quantitativos exorbitantes eram registradas enquanto na realidade nada era repassado

Lucia Morel | 27/07/2023 06:36
Estoque na farmácia do HRMS em novembro do ano passado. (Foto: Divulgação processo)
Estoque na farmácia do HRMS em novembro do ano passado. (Foto: Divulgação processo)

Ex-servidor do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul e três empresários da Cirumed Comércio Ltda foram denunciados em ação de improbidade administrativa por fraudarem notas fiscais e desviarem, entre 2016 e 2019, R$ 12.014.362,10 em recursos destinados à unidade hospitalar, que atende pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

Rehder Batista dos Santos, ex-coordenador de logística e suprimentos e ex-diretor administrativo e financeiro do HRMS, juntamente a Aurélio Nogueira Costa, Clarice Alovisi Costa e Claudenir Donizete Comisso, da Cirumed, foram denunciados pela 29ª Promotoria de Justiça que em investigação identificou as fraudes. O grupo foi alvo, em 7 de dezembro do ano passado, da Operação Parasita, do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado).

Conforme a ação, no período de três anos, entre 1º de setembro de 2016 a 31 de outubro de 2019, a Cirumed, com aval de Rehder dentro do hospital, “emitiu 45 notas fiscais simuladas, inserindo declarações inverídicas, aduzindo falsamente a venda de produtos hospitalares ao Hospital Regional de Mato Grosso do Sul”.

O esquema era o seguinte: pedido de medicamentos ou insumos eram feitos junto à empresa que prestava serviço ao hospital, registrava-se isso no sistema interno, de forma virtual, mas os produtos nunca chegavam. Posteriormente, era dado baixa a esses itens, como se tivessem sido entregues ou emprestados de volta à Cirumed e, então, emitia-se nota fiscal, o que garantia o pagamento ao fornecedor.

Essa baixa era feita mediante a transferência fictícia dos produtos médicos para local inexistente ou que não era destinatário do produto; ou mediante a anotação falsa de remessa a setores do hospital que não utilizavam e/ou não recebiam os produtos; ou mediante a transferência, a título de “empréstimo”, para a própria fornecedora Cirumed; ou ainda simplesmente este estoque virtual era “zerado”, atribuindo-se o código de contagem/produto não localizado”.

A ação de encaminhar de forma mentirosa itens a setores do Regional afetou de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) a hemodiálise e Centro Cirúrgico.

Em um dos casos, em dezembro de 2017, foi emitida nota fiscal n. 43.593 sobre a venda de 3,3 mil unidades de “creme branco, viscoso, água, ureia (carmabida)” e 600 (seiscentas) unidades “hidrogel com poliaminopropil biguanida” e que foi devidamente paga em ordem bancária. Isso, decorrente de falsa movimentação interna de entrada e saída desse itens do hospital.

O MP sabe que não houve a tramitação real dos produtos porque houve diligência in loco nos setores que receberiam esses materiais e constatou-se que não houve qualquer entrada deles e nem mesmo solicitação direta ao almoxarifado.

Cita a ação que o Hospital Regional colaborou com a investigação, confirmando que "por meio de sua Farmácia Central (CAFH), destacou que estes produtos jamais deram entrada naquele hospital público, e muito menos foram destinados ao uso dos pacientes”, reforçando a denúncia.

Em outro caso, em junho de 2018, a fraude foi sobre aquisição de 1,2 mil bolsas de colostomia. Naquele mês, foi registrado o ingresso do produto no hospital e, em seguida, Rehder ou algum servidora, a mando dele, atestou falsamente no sistema o recebimento do material. Depois disso, conforme a denúncia, foram realizadas movimentações indevidas no sistema de informática, a fim de ocultar a não entrega dos produtos.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Salta aos olhos o fato do quantitativo em excesso dos produtos. No caso das bolsas, por exemplo, houve falso movimento de saída de 400 para a clínica cirúrgica; 150 para centro cirúrgico; 150 para cardiologia; 450 para clínica médica; e 300 para CTI Adulto – ilha 2. Isso, com a finalidade de baixar o saldo no estoque virtual.

A quantidade muito acima do usual foi declarada em depoimentos de testemunhas ao promotor Adriano Lobo, da 29ª Promotoria. Uma delas disse que o uso desse produto na rotina hospitalar gira em torno de 20 unidades mês e seu estoque é de cerca de 6 unidades. Outra servidora do CTI Adulto contou que jamais recebeu 300 unidades e que a média de uso no setor é de no máximo duas  bolsas ao dia.

“Constatou-se que as quantidades supostamente adquiridas são excessivamente elevadas e desproporcionais ao uso regular do HRMS, conforme detalhado no Relatório Conclusivo n. 02/2022”, cita a denúncia.

Conforme os relatos, a realidade é na verdade de escassez ou mesmo falta de vários produtos ou medicamentos, prejudicando o atendimento aos pacientes.

Disparidade entre quantitativos de compra e efetivo uso de sondas endotraqueais no HR. (Foto: Reprodução processo)
Disparidade entre quantitativos de compra e efetivo uso de sondas endotraqueais no HR. (Foto: Reprodução processo)

Com isso, o Ministério Público pediu a indisponibilidade dos bens dos investigados, que ainda não são réus nesta ação, até o valor total desviado entre 2016 e 2019; a perda da função pública; a suspensão dos direitos políticos por até 12 anos; pagamento de multa civil equivalente ao valor do dano; e proibição de contratar com o poder público ou de receber benefícios ou incentivos fiscais.

A reportagem entrou em contato com a Cirumed pelo telefone e a proprietária Clarisse disse que apenas o advogado da empresa poderia comentar algo, mas que ele estaria viajando e disse que haveria retorno posteriormente. Rehder também foi contatado, mas não houve resposta até o fechamento deste material. O Hospital Regional também foi procurado na tarde de ontem, mas não enviou resposta.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias