A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

11/09/2012 08:27

Empresário vai a júri hoje pela morte de tatuador; defesa tenta absolvição

Paula Vitorino e Nadyenka Castro
Empresário no banco dos réus no Fórum de Campo Grande. (Foto: Rodrigo Pazinato)Empresário no banco dos réus no Fórum de Campo Grande. (Foto: Rodrigo Pazinato)

A defesa do empresário Miguel Bacargi Filho, acusado de mandar matar o tatuador Luciano Estevão dos Santos, o Johnny, no dia março de 25 de março de 2008, vai pedir a absolvição alegando não existir provas contra o réu. O júri popular está sendo realizado nesta manhã 1ª Vara do Tribunal do Júri, em Campo Grande.

“Li todo o processo de 1.200 laudas. Não existe prova contra o empresário”, afirma o advogado José Roberto Rodrigues da Rosa, que entrou no caso há cerca de 15 dias, após o julgamento ser adiado duas vezes por solicitação do advogado Valdir Custódio da Silva e do juiz Alexandre Ito determinar que mais um advogado fosse colocado no caso.

Além disso, o juiz afirmou que iria decretar a prisão de Miguel Bacargi caso houvesse novo pedido de adiamento.

De acordo com o advogado, a acusação contra o empresário é por conta de supostas traições que ocorrem um ano antes do crime, quando a esposa de Miguel teria se envolvido com o tatuador. “Mas não há prova dessa traição. Não existe um único fato que leve a autoria do crime”, diz.

Ele contesta o fato de “nem de perto se chegou ao executor do crime, só chegaram até o suposto mandante, o empresário”. O tatuador foi atingido por tiros em seu estúdio.

A defesa também lembra que “o acusado de ser o intermediário, o policial aposentado Celino Antônio Cabral, foi absolvido por falta de indícios que tenha participado do homicídio e o Ministério Público nem recorreu”.

Durante o julgamento, a defesa diz que vai trabalhar para “clarear as provas”, pois “quem tem que plantar a dúvida é a acusação”.

Mas José faz questão de frisar que é um júri difícil por conta da repercussão do crime, mas tranquilo quanto as provas que não existem.

Após 2 adiamentos, juiz diz que pedirá prisão de réu se houver novo pedido
Julgamento de acusado de mandar matar tatuador já foi adiado duas vezes a pedido da defesa do réuO juiz Alexandre Ito, da 1ª Vara do Tribunal do Júr...
Adiado mais uma vez júri popular do acusado de matar tatuador
Advogado pediu o adiamento. Não foi marcada data para o novo julgamentoO juiz Alexandre Ito, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, acatou pedido da defesa...
Adiado para agosto julgamento de acusado de mandar matar tatuador
Júri popular sobre crime ocorrido em 2008 aconteceria amanhãMarcado para amanhã, o julgamento do empresário Miguel Bacargi Filho foi adiado para 23 ...
Acusado de mandar matar tatuador há 4 anos, empresário vai a júri dia 12
Luciano Estevão dos Santos, o Johnny, foi morto a tiros. Investigação não chegou ao autor dos disparosEra fim da tarde de 18 de março de 2008. Lucia...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions