ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUINTA  21    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Mulher morta em córrego usava drogas desde 2018

Vítima morava nas ruas, por isso, não havia registro sobre seu desaparecimento

Por Dayene Paz | 24/09/2021 10:38
Corpo estava boiando no Córrego Bálsamo. (Foto: Direto das Ruas)
Corpo estava boiando no Córrego Bálsamo. (Foto: Direto das Ruas)

A Polícia Civil identificou a mulher encontrada morta no Córrego Bálsamo, região do Bairro Universitário, em Campo Grande, na tarde desta quinta-feira (23). Rosimeire Ferreira do Nascimento, de 44 anos, era usuária de drogas e não havia registro sobre seu desaparecimento.

De acordo com a Polícia Civil, o laudo do Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal), não apontou sinais de violência. No entanto, o caso segue em investigação pela delegada Anne Karinne Trevisan, titular da 4ª delegacia da Capital.

Rosimeire era usuária de drogas e vivia em situação de rua. O último boletim de ocorrência que consta no nome dela é de 2018, ano em que ela teria começado a usar entorpecentes e, por isso, ameaçou a patroa. A polícia, no entanto, não detalha o motivo da briga naquela época, nem que tipo de serviço ela fazia.

Polícia fez diligências no local. (Foto: Ana Beatriz Rodrigues)
Polícia fez diligências no local. (Foto: Ana Beatriz Rodrigues)

O caso - O corpo foi encontrado boiando no local por um morador de rua, que foi tomar banho no Córrego Bálsamo, por volta das 14 horas desta quinta. O homem então acionou outros moradores do bairro, que ligaram para a polícia.

O corpo foi localizado no Córrego Bálsamo, o mesmo que passa pela região do Bairro Santo Eugênio, onde a polícia descobriu, em julho deste ano, um cemitério clandestino. Inclusive, há uma trilha na região do Universitário, que liga ao Santo Eugênio. Por enquanto, a delegada descarta ligação do achado do corpo com o cemitério clandestino.

A delegada informou que aparentemente seria um homem, pois o corpo estava de bruços. "Quando a perícia virou, constatou que se tratava de uma mulher, que estava de bermuda e calcinha". Anne explicou que o corpo da mulher estava em estado de decomposição e, aproximadamente, há sete dias no local.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário