A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

22/06/2013 08:03

Esquecida, Praça das Águas recebe dinheiro, mas obra não sai

Aline dos Santos
Erosão avança e praça segue sem atrativos. (Foto: Marcos Ermínio)Erosão avança e praça segue sem atrativos. (Foto: Marcos Ermínio)
Leito de córrego tem centenas de pedra no caminho. (Foto: Marcos Ermínio)Leito de córrego tem centenas de pedra no caminho. (Foto: Marcos Ermínio)

Não faltaram promessas de dinheiro e obras, mas a Praça das Águas entra no sexto ano como retrato de esquecimento. Localizada em ponto nobre da avenida Afonso Pena, em frente ao Shopping Campo Grande, a praça teve começo festivo: foi inaugurada em 22 de novembro 2007 com plantio de árvores por crianças que se curaram do trânsito.

Os planos eram de auditório, mirante, além da instalação de bancos e estandes com temática ambiental. Em abril de 2009, nova promessa de melhor sorte: área de lazer, trilha até a cachoeira e correção do solo. No mês de agosto do ano passado, o Ministério da Integração Nacional repassou R$ 779 mil para a Prefeitura de Campo Grande.

No entanto, conforme o titular da Seintrha (Secretaria de Infraestrutura, Transporte e Habitação), Semy Ferraz, o recurso não veio. Devido à ampliação do shopping, o poder público recebeu R$ 2 milhões para compensações. Do total, R$ 600 mil foram para a praça e o restante para obras no entorno.

Na placa comemorativa, datada de dezembro de 2012, consta inauguração de trilhas, pista de caminhada, ciclovias e locais para contemplação da cachoeira. Quem percorre a praça avista mato, lixo, uma faixa em concreto e uma ponte de madeira, ladeada por um lençol e um cartaz esquecido do protesto de ontem. No leito do córrego Prosa, o assoreamento engole o curso d’água. Não há uma, mas centenas de pedras no caminho.

Ao lado da única pista, uma segunda carreira de postes sem outra utilidade além de iluminar o mato. Se falta infraestrutura, a natureza é gentil nos atrativos: canto de pássaros e o ruído das águas.

Um tanto esquecida, a praça tem seu admirador. Pelo menos duas vezes por semana, Jairo Rodrigues, de 71 anos, deixa sua casa, na saída para Cuiabá, para caminhar no local. “Tem a natureza, muito bonito”, afirma.

Além de Jairo, a praça era ocupada na manhã desta sexta-feira por operários que limpam o terreno para começar o combate à erosão. Com o assoreamento, a água procura caminho nas cheias e avança para o paredão de terra que margeia o córrego. Desta forma, a margem direita sofre constante solapamento.

Na chuva do último dia 16, nova erosão: foi aberta uma cratera de quatro metros. O problema emergencial será corrigido no mês de julho pela Prefeitura. De acordo com Semy Ferraz, o reparo deve custar até R$ 300 mil e será feito pela equipe da secretaria. “Tem que reconstituir, reaterrar e plantar grama. Isso precisa ser feito antes do período de chuva”, afirma.

A atual gestão ainda não tem projeto para a área. Conforme o secretário, equipe do Planurb (Instituto Municipal de Planejamento Urbano) vai ao local para que a praça, enfim, ganhe atrativos.



Receberam dinheiro para fazer manutenção no lugar e não fizeram? NORMAL! ANORMAL seria eles terem pego e feito a tarefa! Depois reclamam de protestos e vandalismo.
 
Valter Castilho em 22/06/2013 22:20:37
e o bernal....vai fazer o que?
 
samuel vosni em 22/06/2013 13:50:07
Está aí um exemplo do descaso do poder público, no caso o prefeito anterior e seus assessores e vereadores, com o dinheiro público, ou seja, dinheiro da população, mal aplicado e mal gerenciado.
 
Samuel Aguiar em 22/06/2013 09:48:58
A praça tem mais um admirador: eu. É um dos melhores locais para se passear com cachorros. Não sei se é liberado, ou se é pela falta de fiscalização, mas muita gente leva seus companheiros para passear livremente por ali.
 
Ricardo Farias em 22/06/2013 08:41:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions