A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 25 de Abril de 2019

18/01/2019 11:56

Família de jovem assassinado com tiro na nuca denúncia ameaças

Suspeito negou o crime, mas o caso também será investigado na 4ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande

Geisy Garnes
Arma usada no crime (Foto: Divulgação)Arma usada no crime (Foto: Divulgação)

A família de Vitor Hugo Rosa Francisco, de 20 anos – assassinado com um tiro na cabeça na Rua Barreira, no bairro Moreninha II – procurou a polícia na madrugada desta sexta-feira (18) para denunciar ameaças de morte feitas pelo motorista de um Toyota Corolla. O suspeito foi levado para a delegacia e negou o crime.

Em depoimento, os parentes de Vitor relataram que estavam em casa quando o suspeito de 37 anos parou perto deles em um Corolla prata e os ameaçou. “Não quero saber de mais nada, vocês vão morrer”, teria dito. Ainda segundo as vítimas, o homem usava máscara no momento o crime.

Ainda conforme as vítimas, antes de ligarem para a polícia, perceberam também que alguém havia pulado o muro de uma das casas da família. Enquanto isso, o suspeito fugia de uma abordagem policial, mas acabou localizado pouco depois.

Ele foi levado para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitária) Piratininga, onde as equipes policiais encontraram uma máscara, parecida com o autor das ameaças, e um facão dentro do Corolla. Ao delegado, o suspeito negou o crime, assinou termo e foi liberado.

De acordo com a delegada Célia Maria, responsável por investigar a morte de Vitor Hugo e titular da 4ª Delegacia de Polícia Civil, a ameaça também será investigada. Ao Campo Grande News, sem dar detalhes, ela afirmou que o autor do crime se apresentou a polícia e confessou ter assassinado o rapaz de 20 anos.

Mesmo com a autoria confirmada, a polícia espera os resultados dos exames de necropsia. Segundo a delegada, o projétil ficou alojado na cabeça de Vitor e será usado para comparação com o revólver calibre .38 apreendido em um veículo que estava no pátio do Detran (Departamento Estadual de Trânsito).

O veículo em que a arma estava foi apreendido no mesmo dia em que Vitor foi ferido, no dia 12 de janeiro. Na data, o proprietário do carro confessou que havia escondido o revólver a pedido de um amigo, idenitificado como Leonan Gomes de Assis. Vitor ficou internado na Santa Casa por quatro dias, mas não resistiu ao ferimento. 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions