ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Fundação que apoia ONG criada pela família de Brunão faz palestra na Capital

Paula Maciulevicius | 29/06/2011 20:07

Casal paulista Massataka e Keiko Ota farão palestra “Perdão e Justiça” na próxima sexta-feira

A Fundação paulista Ives Ota, que apoia a criação da ONG Bruno Escobar, homenagem ao segurança morto enquanto trabalhava em um bar, no dia 19 de março, vem a Capital para uma palestra nesta sexta-feira.

Com o tema “Perdão e Justiça”, o casal Massataka e Keiko Ota fala contra a violência, para que cada um se conscientize de que somente através do perdão, a verdade paz se instala.

Criada em 1997, a Fundação realiza projetos para combater a violência. A ideia surgiu quando o casal Ota perdeu o filho, Ives, com apenas 8 anos, assassinado depois de ser sequestrado, por três homens em sua própria casa, na Zona Leste de São Paulo. O menino morreu porque reconheceu um dos sequestradores, que fazia a segurança nas lojas do pai.

O convite veio de familiares e amigos de Brunão que se organizam para criar a Fundação Bruno Escobar, com a missão de amparar e auxiliar vítimas e parentes com apoio jurídico, psicológico e assistência social.

A família conta que como primeiro passo, convidou o casal que se prontificou a vir à Capital.

A palestra acontece na sexta-feira, dia 1º de julho, no auditório do Sebrae, às 19h30, na avenida Mato Grosso, n° 1.661.

O caso - Brunão foi morto quando retirava Cristhiano Luna de Almeida, 23 anos, da casa noturna em que trabalhava, após ele ter se envolvido em uma confusão com um garçom no local. A acusação afirma que o autor matou a vítima a soco.

Testemunhas disseram que Cristhiano já havia se envolvido em confusão na casa, e em outros lugares, e que agrediu Brunão e o matou intencionalmente.

Ele foi preso horas depois do crime e indiciado por lesão corporal seguida de morte. A Polícia Civil ouviu mais testemunhas e analisou imagens do caso e mudou o indiciamento para homicídio doloso.

Cristhiano foi solto por determinação do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, mas, tem que cumprir algumas regras entre elas: não ingerir bebidas alcoólicas, não frequentar casas noturnas e clubes de luta e não chegar em casa após às 22 horas.

A Polícia não faz uma vigilância específica em Cristhiano e conta com ajuda da população para denunciar se houver infração às determinações.

Nos siga no Google Notícias