A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

11/06/2015 11:39

Greve de servidores começa a fechar leitos no Hospital Universitário

Viviane Oliveira e Flávia Lima
Cerca de 150 a 200 servidores participaram da assembleia desta manhã. (Foto: Marcos Ermínio) Cerca de 150 a 200 servidores participaram da assembleia desta manhã. (Foto: Marcos Ermínio)

Por causa da greve, alguns leitos começaram a ser fechados no Hospital Universitário, em Campo Grande. A informação foi passada pelo comando de greve do Sista (Sindicato dos Trabalhadores das Instituições Federais de Ensino de Mato Grosso do Sul), durante assembleia nesta manhã (11). A paralisação faz parte de um movimento nacional. 

Os sindicalistas disseram que a paralisação foi comunicada à Secretária de Saúde do Estado e do Município com 72 horas de antecedência, para que fosse feito o remanejamento de pacientes. O fechamento tem 24h. 

Ainda de acordo com o sindicato, a greve já tem 50% de adesão em todo Estado e dos 21 leitos da enfermaria da maternidade, três já foram fechados. Também estão sem atendimento os seis leitos dos 10 que compõem o setor de cirurgia.

De acordo com Adílson da Costa Oliveira, um dos membros do comando de greve, cerca de 10 mil pessoas procuram os serviços do Hospital Universitário da Capital. A escala de 30% dos funcionários trabalhando está mantida nos setores que aderiram a paralisação.

No total, conforme o sindicato, são 3.300 funcionários concursados que autuam na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e HU (Hospital Universitário). Só em Campo Grande são 1.700 servidores. A paralisação não inclui os funcionários contratados pela Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares).

As principais reivindicações da categoria são reposição salarial de 27,3%, redução da jornada de trabalho para 30 horas semanais sem diminuição de salário, suspensão dos cortes orçamentos das instituições de ensino, fim da terceirização e melhoria de outros benefícios, como auxílio-alimentação.

Preocupados - Os pacientes que dependem do Hospital Universitário estão apreensivos com a situação. A dona de casa Sandra Lourenço Ribeiro, mora em Corguinho e a cada 3 meses precisa levar o filho, Ryan de 5 anos que nasceu prematuro, para fazer acompanhamento. Hoje, a dona de casa conseguiu atendimento e só vai precisar retornar daqui dois meses. “Mesmo assim, estou com receio de não conseguir atendimento. Até lá vou mantendo contato para saber se a greve acabou”, diz.

Após esperar dois anos por uma cirurgia, a dona de casa Nelzalina Gomes de Arruda, 63 anos, aguardava consulta para marcar a data da operação. Ela teme que não consiga a cirurgia para os próximos dias por causa da greve. “Todos os exames foram entregues, agora preciso apenas marcar a data. Vivo a base de remédio devido as fortes dores no estômago ”, reclama. Segundo os sindicalistas, as cirurgias eletivas vão ser suspensas por causa do fechamento de leito.

Abstenção em concurso da Câmara Municipal da Capital passa dos 30%
O domingo (17) foi de provas para milhares de campo-grandenses, tanto na manhã como no período da tarde, no concurso da Câmara Municipal, que segundo...
Com forte dores, mulher reclama de falta de atendimento em UPA
Mesmo apresentando fortes dores e inchaço na região do estômago, sem conseguir comer a três dias, uma mulher que procurou atendimento na UPA (Unidade...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions